Jovens vendem nudes na internet para arrecadar dinheiro para exército ucraniano

Plataforma denominada ‘TerOnlyFans’ foi criada por duas amigas no começo de março e já arrecadou mais de US$ 700 mil

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2022 17h56
Reprodução/Site/TerOnlyFans venda de nudes Jovens já arrecadaram mais cerca de US$ 700 mil

Um grupo de jovens arrumou um jeito que poder ajudar o exército ucraniano que desde o dia 24 de fevereiro está em conflito com as tropas de Vladimir Putin. Incentivados por duas amigas que criaram um site inspirado no OnlyFans, eles começaram a oferecer nudes em troca de doações. Cada pessoa contribui com o que pode e o dinheiro vai para forças armadas e grupos humanitários. Ao todo 38 pessoas participam do projeto, sendo 35 mulheres e três homens. A cada doações, o doador recebe fotos de um dos representantes. 

Em entrevista a Insider, Nastsassia Nasko, 23 anos, conta que a ideia surgiu poucos dias depois que a Rússia invadiu a Ucrânia. Ela estava no Twitter buscando uma pessoa com carro para que pudesse se direcionar até a cidade de Kharkiv e evacuar um conhecido. Quando não teve resposta, brincou dizendo que enviaria um nudes com quem contribuísse. Cinco minutos depois ela já tinha mais de 10 mensagens em sua caixa de entrada. Após o envio da foto, ela conseguiu evacuar a pessoa que estava tentando ajudar. 

Com o sucesso que obteve, ela, junto com a amiga Anastasiya Kuchmenko, lançou o “TerOnlyFans” (Ter é abreviação de defesa territorial), uma plataforma semelhante ao OnlyFans, mas que diferente dela não gera lucro para os criadores de conteúdo, e sim para o exército ucraniano. Nasko faz questão de deixar claro que: “Não somos profissionais do sexo, estamos tentando arrecadar dinheiro para a guerra” e que apesar do foco principal ser contribuir com a Defesa do Território da Ucrânia, eles também já destinaram o recurso para organização de refugiados e abrigo de animais. 

Hoje, após três meses do lançamento da plataforma, o grupo já arrecadou mais de US$ 700 mil (cerca de 3,6 milhões na cotação atual), contou Nasko ao Insider. A maior parte das doações vem da Ucrânia, mas moradores da Holanda, França e Reino Unido também já contribuíram. A maior doação já recebida foi um pagamento em criptomoeda de US$ 2.800. A jovem disse que só vai encerrar o projeto quando “Putin morrer e a Rússia interromper sua agressão”.