Na Espanha, avanço da pandemia do novo coronavírus ameaça saturar hospitais

Com uma incidência acumulada de quase 900 casos a cada 100 mil habitantes no país, as unidades de terapia intensiva espanholas já estão 40,38% ocupadas por pacientes com Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2021 15h14
EFE/Fernando VillarA Espanha tem feito teste de antígenos em jovens de 18 a 29 anos, população com alta incidência de casos de Covid-19

A pandemia do novo coronavírus deixou os hospitais em situação crítica na Espanha. Só na última sexta-feira, 22, foram relatados 93.822 novos casos da doença, índice que levou o Ministério da Saúde a alertar que 40,38% das unidades de terapia intensiva do país estão sendo atualmente ocupadas por pacientes com Covid-19. O porta-voz do órgão, Fernando Simon, destacou nesta terça-feira, 26, que é necessário haver um esforço para implementar medidas de controle. Diante dos dados, todas as regiões espanholas estão apertando as restrições para tentar enfraquecer a nova onda de contágios. Até mesmo Madri, tradicionalmente mais relutante a tais medidas, antecipou o toque de recolher para as 22h e determinou o fechamento de bares, restaurantes e outros estabelecimentos não essenciais às 21h. Além disso, ficaram limitados a quatro pessoas os encontros nesses locais. Valência está sendo ainda mais rígida. Com 61% de ocupação em UTIs, a região restringe os encontros em locais públicos a duas pessoas e mantém o fechamento do perímetro.

O panorama atual da Espanha é muito diferente de um mês atrás, quando o país celebrou o Natal com limitações relaxadas por duas semanas em todo o território. Em 24 de dezembro, a incidência acumulada de casos de Covid-19 era de 262,79 por 100.000 habitantes, enquanto hoje esse índice é de 884,70. A situação também era outra nos hospitais. No mês passado, a ocupação dos leitos com pacientes com Covid-19 era de 8,80%, contra 23,94% atualmente. O cenário é ainda mais grave quanto se trata das unidades de terapia intensiva, com 40,38% de ocupação hoje, em comparação com 19,89% em dezembro. Enquanto isso, o ministro da Saúde, Salvador Illa, deixará o cargo nesta terça-feira, 26, para concorrer à presidência da Catalunha nas eleições de 14 de fevereiro.

*Com informações da EFE