Pequim anuncia medidas contra Covid-19 por 5 anos e apaga menção em seguida

Situação atraiu a atenção da população nas redes sociais chinesas, como Weibo, o Twitter local, e também apareceu em plataformas ocidentais

  • Por Jovem Pan
  • 27/06/2022 05h42
EFE/EPA/MARK R. CRISTINO Covid-19 - China Medidas restritivas contra a Covid-19 são anunciadas pelos próximos cinco anos em Pequim, mas trecho é eliminado de documento em seguida

Os habitantes de Pequim ficaram intrigados nesta segunda-feira, 27, depois que as autoridades da cidade anunciaram em um relatório que manteriam as várias medidas preventivas contra a Covid-19 pelos próximos cinco anos, menção que desapareceu pouco depois do texto em todos os meios de comunicação estatais. O texto original dizia “nos próximos cinco anos, Pequim aderiu firmemente à normalização das medidas preventivas contra a pandemia” e “vai manter a política Covid-19 zero como principal diretriz”. O trecho rapidamente foi eliminado do texto.

Apesar do posterior desaparecimento da referida parte alguns minutos depois, o tema atraiu muita atenção nas redes sociais chinesas como Weibo, o Twitter local, e também saltou para plataformas ocidentais. “Se for verdade, seremos o motivo de chacota do mundo”, disse um usuário, enquanto outros expressaram decepção: “Embora eu ame o Partido e meu país, neste momento também quero sair daqui”. A população de Pequim já acumula quase dois anos e meio de medidas preventivas contra o coronavírus que incluíram o encerramento total das fronteiras ao turismo, quarentenas mínimas de sete dias para todos os que entram na China, campanhas massivas de Testes de PCR sempre que um caso é detectado e isolamento de todos os infectados e seus contatos próximos.

Atualmente, os habitantes de Pequim tem que apresentar o resultado de PCR negativo nas últimas 72 ou 48 horas para acesso a supermercados, shopping centers e outros locais públicos. “Quantos ‘cinco anos’ é a vida de uma pessoa?” questionou um internauta. A chamada no Weibo “Durante os próximos cinco anos, Pequim manterá medidas preventivas normalizadas”, que acumulava várias mensagens também foi apagada da plataforma pouco depois. A rede não explicou o motivo. Segundo a Comissão Nacional de Saúde da China, desde o início da pandemia, 225.565 pessoas foram infectadas no país, entre as quais 219.791 conseguiram se curar e 5.226 morreram, embora o número total de pessoas infectadas seja excluído dos assintomáticos. No último domingo, foram detectados 39 casos positivos de Covid-19 na China, cinco deles por contágio local em Pequim e Xangai.

*Com informações da EFE