Presidente do México comemora anulação das condenações de Lula

Andrés Manuel López Obrador afirmou que o ex-presidente brasileiro enfrenta uma campanha contra ele e seu movimento desde que foi preso

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2021 16h12
EFE/Presidencia de MéxicoAndrés Manuel López Obrador se juntou aos presidentes da Argentina, da Bolívia e de Cuba no apoio à Lula

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, comemorou a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva relacionadas às investigações da Operação Lava Jato. “Comemoro isso, que as autoridades do Brasil tenham exonerado, limpado de culpa o ex-presidente Lula. Desejo a ele e a todos os líderes sociais políticos do mundo que sigam em frente, que não deixem de lutar pela igualdade”, declarou em entrevista coletiva nesta sexta-feira, 12. O presidente lembrou que a Constituição do México não permite que ele se pronuncie sobre assuntos de outros países, mas ainda assim comentou: “Acredito que foi importante libertar o ex-presidente Lula de culpa porque, segundo a informação que tenho, a justiça decidiu que ele não tinha responsabilidade, foi preso e depois enfrentou toda uma campanha contra ele e contra o movimento que representava”.

Com essas palavras, Andrés Manuel López Obrador se juntou a outros líderes mundiais que se solidarizaram com Lula, como o presidente da Argentina, Alberto Fernández, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, e o ex-presidente da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero. Recentemente, o presidente mexicano se aproximou do mandatário argentino, que visitou o México em fevereiro para promover um eixo a favor da América Latina. Além disso, López Obrador ofereceu asilo político a Evo Morales em 2019, após o que classificou como um “golpe de Estado” dos militares na Bolívia. “Temos uma relação muito boa com todos os governos e todos os povos do mundo. É de grande interesse nosso que haja democracia e justiça na América e em todo o universo, nos importamos muito com a fraternidade universal”, concluiu o mexicano.

*Com informações da EFE