Rússia inicia produção de sua segunda vacina contra a Covid-19

Das quatro vacinas russas em desenvolvimento, duas já estão em fase de produção e começarão terceira fase de testagens em massa

  • Por Jovem Pan
  • 27/10/2020 11h43 - Atualizado em 27/10/2020 16h17
Crédito:LUCAS LACAZ RUIZ/AE/AE/Codigo imagem:114049A EpiVacCorona será testada em 40 mil voluntários

Nesta terça-feira (27), a oficial de saúde pública da Rússia, Anna Popova, anunciou que o país iniciou a produção de sua segunda vacina contra a Covid-19. Depois da Sputnik V, do Centro de Microbiologia e Epidemiologia Gamaleya, a EpiVacCorona, do Centro de Pesquisas Vector, é o mais novo imunizante a entrar em processo de fabricação. O início da produção da EpiVacCorona significa que a vacina entrará em sua terceira fase de testes em breve. O governo russo anunciou que 40 mil voluntários participarão desse processo, sendo que 150 dessas pessoas terão mais de 60 anos de idade.

A Rússia está desenvolvendo ainda uma terceira e uma quarta vacina contra a doença causada pelo coronavírus: uma está em fase de testes no Instituto Chumakov e a outra está sendo estudada pelo Centro Pesquisa e Desenvolvimento do Instituto de Vacinas e Soros de São Petersburgo. Assim como os Estados Unidos, a Rússia continua de fora da Covax, uma coalizão de mais de 150 países criada para impulsionar as pesquisas e o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 no mundo.

Com 1 547 774 casos da doença acumulados desde o início da pandemia, a Rússia só perde para os Estados Unidos, a Índia e o Brasil em número de infectados. Além disso, nas últimas 24 horas o país bateu seu recorde de mortes por coronavírus, com 320 novos óbitos em 24 horas. Apesar do significativo aumento dos casos nas últimas semanas, em que as infecções diárias mais do que duplicaram, as autoridades russas descartaram a adoção de medidas drásticas como confinamento, toque de recolher ou paralisação de setores econômicos.

Porém, o país pediu para a Organização Mundial da Saúde (OMS) um registro acelerado de uso emergencial e a pré-qualificação da Sputnik. A informação é do Fundo Russo de Investimento (FIDR), que afirmou que a medida tornaria a vacina “disponível para todos em um período de tempo mais curto em comparação com os procedimentos convencionais” e apoiaria “os esforços globais para prevenir a infecção pelo coronavírus”.

*Com informações da EFE