Rússia se recusa a informar para qual prisão Alexei Navalny foi transferido

O líder da oposição deixou o centro de detenção onde vinha sendo mantido e os advogados não conseguiram obter a informação sobre o seu atual paradeiro

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2021 11h22
EFEO Conselho de Direitos Humanos da ONU condenou as ações contra o líder da oposição russa Alexei Navalny

Alexei Navalny foi transferido para uma prisão desconhecida nesta sexta-feira, 12, de acordo com uma publicação feita em sua própria conta oficial no Twitter. O líder da oposição da Rússia estava sendo mantido temporariamente no Centro de Detenção de Kolchugino, na região de Vladmir, para cumprir quarentena. Já era esperado que ele seria movido para outra instalação para começar a cumprir a sua pena. Porém, mesmo chegando em Kolchugino no início do dia, os advogados de Navalny foram impedidos de ver o seu cliente “sob vários pretextos”. Apenas às 14h do horário local eles foram informados que o ativista já havia partido, sendo que as autoridades se recusaram a responder para onde Navalny foi levado. “Não sabemos onde ele está agora. Seu paradeiro é desconhecido para nós mais uma vez. A administração deveria notificar os parentes para onde ele foi transferido. Mas, como a prática tem mostrado, isso não foi feito”, disse a advogada Olga Mikhailova em entrevista à rádio Echo of Moscow.

Dezenas de países estrangeiros estão pressionando a Rússia para libertar Navalny sob a justificativa de que a sua prisão é ilegal. Nesta sexta-feira, 12, o Conselho de Direitos Humanos da ONU reiterou que as ações contra o líder da oposição são “inaceitáveis e politicamente motivadas”. “Apelamos à Federação Russa pela libertação imediata e incondicional do Sr. Navalny e de todos os detidos ilegal ou arbitrariamente”, disse o comunicado conjunto. Os 24 países signatários eram principalmente europeus, mas incluem também os Estados Unidos, a Austrália, o Canadá e o Japão. Crítico proeminente do presidente Vladmir Putin, Alexei Navalny foi condenado a dois anos e meio de prisão por violar liberdade condicional.