Seis brasileiros são barrados por dia ao tentar entrar em Portugal

  • Por Jovem Pan
  • 27/10/2018 14h25
Montagem: Felipe Fontoura - Wikimedia CommonsConsulado português volta a receber pedidos de cidadania em 1º de Janeiro de 2019

A onda de brasileiros que buscam um novo lar do outro lado do oceano aumentou tão drasticamente que levou o Consulado de Portugal em São Paulo a suspender o recebimento de pedidos de cidadania. Agora, de acordo com dados do jornal português Expresso, das 2.209 pessoas que foram barradas ao tentar entrar no país, 1.655 (74%) são brasileiras, o equivalente a seis pessoas por dia entre janeiro e agosto de 2018.

É o caso de Michele Silva, de 32 anos, que ia encontrar com o marido e acabou sendo barrada. “”Meu marido estava desempregado no Brasil, viajou como turista no fim do ano passado e em uma semana conseguiu trabalho na região de Lisboa”, disse.

O aumento na quantidade de pessoas barradas preocupou o Ministério de Relações Exteriores que divulgou nota, na última sexta-feira (26), explicando que o “Consulado-Geral do Brasil em Lisboa tem transmitido às autoridades portuguesas a preocupação do governo brasileiro quanto ao aumento no número de casos”, diz o texto.

Por que brasileiros são barrados

Uma das razões é a dificuldade de comprovar a viagem a turismo. Michele atendeu aos requisitos das autoridades portuguesas quando tentou, em março, visitar o marido no país. Para provar que a viagem é turística, o visitante precisa apresentar passagens de ida e volta, confirmações de hotéis ou outras hospedagens com datas de check-in e check-out, dinheiro para suas necessidades e visto próprio para turismo.

O visto é a segunda principal razão para tantos brasileiros serem barrados. Muitos buscam entrar no país com vistos que não correspondem as atividades que pretendem exercer no país.

Apesar disso, o Consulado de Portugal em São Paulo já tem data para voltar a receber pedidos de cidadania, 1º de janeiro de 2019. A sobrecarga do Gabinete do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas com as análises de pedidos de nacionalidade foi o que motivou a suspensão na capital do Estado e no litoral, na sede consular em Santos.

*com informações de Estadão Conteúdo