Senado dos EUA aprova plano de estímulo econômico de US$ 1,9 trilhão

O projeto de lei deve agora passar por uma votação final na Câmara dos Deputados para aprovar as mudanças feitas no Senado, e depois será enviado à Casa Branca para a assinatura de Biden, provavelmente no meio ou no final da próxima semana

  • Por Jovem Pan
  • 06/03/2021 22h55 - Atualizado em 07/03/2021 09h59
Reprodução/Twitter/JoeBidenJoe Biden e Kamala Harris foram eleitos para comandar a maior economia do mundo neste sábado

O Senado dos Estados Unidos aprovou neste sábado um plano de estímulo de US$1,9 trilhão para aliviar a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus, o que marca a primeira vitória legislativa do presidente americano Joe Biden. O pacote de resgate, o terceiro aprovado nos EUA desde o início da pandemia, há um ano, inclui novos pagamentos diretos de US$ 1,4 mil aos contribuintes que ganham menos de US$ 80 mil por ano, mais fundos para os governos estaduais e locais, vacinações e reabertura de escolas. Por 50 a 49 votos, o Senado deu aval ao chamado Plano de Resgate Americano, que a Câmara dos Deputados já aprovou há uma semana. “Este projeto de lei dará mais ajuda a mais pessoas do que qualquer coisa que o governo federal tenha feito durante décadas”, comemorou o líder do Partido Democrata no Senado, Chuck Schumer, ainda antes da votação.

O projeto de lei deve agora passar por uma votação final na Câmara dos Deputados para aprovar as mudanças feitas no Senado, e depois será enviado à Casa Branca para a assinatura de Biden, provavelmente no meio ou no final da próxima semana. É a primeira vitória legislativa da presidência de Biden, que fez da atenuação dos efeitos da pandemia sua prioridade e teve o apoio da maioria democrata, que votou como bloco.

FORTE OPOSIÇÃO REPUBLICANA

Os representantes do Partido Republicano, por outro lado, criticaram o socorro por considerarem-no excessivamente caro e disseram que era muito cedo para aprová-lo, uma vez que os fundos do plano de estímulo impulsionado em dezembro ainda estão sendo desembolsados. “O Senado nunca gastou quase 2 trilhões de dólares de uma maneira mais aleatória”, reclamou o líder dos republicanos, Mitch McConnell. Os 49 votos “não” registrados neste sábado pertenceram inteiramente aos republicanos, em sinal da forte oposição gerada entre as políticas de Biden, apesar dos apelos à unidade do novo presidente. Embora o Senado esteja dividido igualmente em 50 cadeiras democratas e 50 republicanas, desta vez não foi preciso a vice-presidente Kamala Harris para desempatar como presidente da câmara alta, pois o senador republicano Dan Sullivan estava ausente por motivos pessoais.

A votação veio após uma maratona de sessões que começou na manhã desta sexta-feira e, após uma longa pausa, se estendeu pela noite e até a manhã deste sábado, quando republicanos e alguns democratas tentaram acrescentar emendas ao projeto de lei. Esse é o terceiro resgate da economia a ser aprovado pelo Congresso dos EUA desde o início da crise sanitária. O primeiro, de US$ 2,2 trilhões, o que o colocou como o maior da história, passou em março de 2020, e o segundo, de US$ 900 bilhões, em dezembro.

*Com informações da EFE