Senado dos EUA inicia debate sobre pacote de estímulo de Biden

Tudo indica que o debate no Senado se prolongará até o fim de semana, quando pode ocorrer a votação final sobre o projeto de lei, já aprovado no sábado passado pela Câmara dos Representantes

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2021 22h52
EFE/EPA/OFFICE OF THE PRESIDENT ELECTPacote de Biden é visto como "excessivamente custoso" pela oposição republicana

O Senado dos Estados Unidos votou nesta quinta-feira, 4, a favor de iniciar o debate sobre o plano de estímulo fiscal de US$ 1,9 trilhão para amenizar a crise desencadeada pela pandemia de Covid-19, uma prioridade do presidente Joe Biden, que enfrenta uma forte resistência da oposição republicana. Tudo indica que o debate no Senado se prolongará até o fim de semana, quando pode ocorrer a votação final sobre o projeto de lei, já aprovado no sábado passado pela Câmara dos Representantes. “Não importa que demore, o Senado vai manter ativa sua sessão para concluir o trabalho no projeto de lei nesta semana”, disse nesta quinta-feira o líder da maioria democrata, Chuck Schumer. Se o plano avançar, será enviado novamente à Câmara dos Representantes para a análise definitiva, antes de chegar à Casa Branca para a assinatura de Biden.

O Senado aprovou o início do debate sobre o pacote com 51 votos a favor e 50 contra, após a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, fazer valer o posto de presidente da casa para desempatar a votação entre senadores democratas e republicanos. O resultado deixa claro que nenhum republicano deverá votar a favor do projeto de lei quando tiver que se pronunciar sobre o conteúdo do plano, a prioridade legislativa de Biden nos primeiros cem dias de mandato. Embora seja esperado que os democratas consigam aprovar o projeto no Senado, não podem perder nenhum voto do próprio partido, e é possível que ocorram mudanças no plano e que o montante final seja inferior aos US$ 1,9 trilhão previstos. A oposição republicana considera o projeto “excessivamente custoso” e afirma que ainda é cedo para aprová-lo, dado que ainda estão sendo desembolsados os recursos do plano de estímulo anterior, aprovado em dezembro e avaliado em US$ 900 bilhões.

*Com informações da EFE