Tóquio entra em estado de emergência 200 dias antes dos Jogos Olímpicos

A medida deve durar até 7 de fevereiro como forma de conter a disseminação do novo coronavírus; exibições da tocha olímpica também foram adiadas

  • Por Jovem Pan
  • 07/01/2021 11h34 - Atualizado em 07/01/2021 14h10
EFEDurante o estado de emergência, os moradores de Tóquio ficam proibidos de sair de casa após às 20h

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, anunciou estado de emergência em Tóquio e na região metropolitana da capital a partir desta sexta-feira, 8. A medida, que abrange ainda os municípios de Kanagawa, Saitama e Chiba, tem como objetivo conter o aumento no número de infecções pelo novo coronavírus. A princípio, ela deve vigorar até 7 de fevereiro, mas só será suspensa caso essas localidades apresentem uma redução significativa na transmissão e na taxa de ocupação hospitalar. No caso de Tóquio, o objetivo é chegar a 500 notificações da Covid-19 a cada 24 horas. A decisão acontece 200 dias antes do início da realização dos Jogos Olímpicos e um dia depois do país e sua capital registrarem novos recordes diários: foram 5.307 casos da doença no Japão, sendo 1.591 deles em Tóquio.

Pelas novas regras, os moradores ficam proibidos de sair de casa após às 20h, horário em que as lojas, bares, restaurantes e teatros também devem fechar as portas. As empresas, por sua vez, devem reduzir em 70% o número de funcionários trabalhando presencialmente e permitir que eles façam os seus deslocamentos para casa e para o escritório em horários escalonados. No entanto, os eventos com capacidade para até 5 mil participantes poderão continuar acontecendo. As creches, escolas e faculdades também permanecerão abertas, mas devem limitar as atividades extracurriculares.

Jogos Olímpicos

Após o anúncio do estado de emergência, o governo de Tóquio informou que as próximas exibições da tocha olímpica serão adiadas para evitar aglomerações. Um dos principais símbolos dos jogos, que acontecerão entre 23 de julho e 8 de agosto, a chama foi exibida em alguns municípios do Japão no final do ano passado e voltaria a circular pelo país nesta quinta-feira, 7. Apesar dos contratempos, Suga reforçou que o país receberá os Jogos Olímpicos a partir  de forma “estável e segura” e que o Comitê Olímpico Internacional (COI) continuará trabalhando para organizar o evento “sem falhas”.

O apoio popular aos Jogos Olímpicos entre a população japonesa diminuiu nos últimos meses do ano passado, principalmente devido à pandemia de coronavírus. Um levantamento feito pelo canal público de televisão “NHK” mostrou que 32% dos estrevistados eram a favor do cancelamento permanente dos Jogos Olímpicos, enquanto 31% eram a favor de um novo adiamento, e 27% concordaram em manter a programação.

*Com informações de agências internacionais