União Europeia pede que China prove ‘bem estar’ de tenista que desapareceu após denunciar abuso

Peng Shuai chegou a fazer aparição em evento público após polêmica em torno do seu desaparecimento, mas imagens são questionadas pela comunidade internacional

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2021 13h50
REUTERS/Edgar SuPeng Shuai 'desapareceu' das redes sociais e de eventos públicos da China após acusação de abuso sexual

A União Europeia pediu a Pequim nesta terça-feira, 30, provas que mostrassem que a tenista Peng Shuai está bem e não sofre ameaças no país após denunciar um assédio sexual cometido pelo ex-vice-premiê da China, Zhang Gaoli. “A União Europeia se une ao coro crescente de vozes internacionais, inclusive de profissionais dos esportes, que buscam a confirmação de que ela está livre e não está sendo ameaçada”, afirmou um comunicado assinado pelo serviço de política externa do bloco. A esportista, que é ex-número 1 do mundo nas duplas, deixou de ser vista publicamente no dia 2 de novembro, após afirmar em seu perfil numa rede social chinesa que foi forçada por Gaoli a fazer sexo com ele. A mensagem dela foi apagada nas redes sociais, assim como seu perfil e qualquer resultado ao nome dela quando procurado nas ferramentas de busca da China, que tem a internet controlada.

No dia 21, após um crescente questionamento internacional, Peng Shuai apareceu em vídeos nas redes sociais chinesas autografando bolas de crianças que participavam do Fila Kids Junior Tennis Challenger, em Pequim, mas a veracidade das imagens foi contestada. Após ver as imagens divulgadas nas redes sociais, um porta-voz da Associação de Tênis Feminino (WTA, em inglês), disse à agência Reuters que os registros são “insuficientes” e não respondem às preocupações da WTA. A Federação Internacional de Tênis (IFT) afirmou que continuará buscando a confirmação de que Peng Shuai esteja segura. A UE também pediu que a China conduzisse um investigação “completa, justa e transparente” sobre as alegações de assédio sexual.