Oposição venezuelana conquista maioria qualificada no Parlamento

  • Por Agência Brasil e EFE
  • 08/12/2015 11h12
Seguidores do líder opositor venezuelano Henrique Capriles em Caracas

A coligação da oposição venezuelana, Mesa da Unidade Democrática (MUD), conquistou a maioria qualificada de três quintos nas eleições parlamentares de domingo (6), anunciou nessa segunda-feira o Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

A MUD elegeu 110 dos 167 deputados que compõem a Assembleia Nacional (Parlamento), indicou o CNE, acrescentando que o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do presidente Nicolás Maduro e fundado pelo ex-presidente Hugo Chávez, obteve 55 assentos, faltando definir dois lugares.

A oposição conquistou a maioria parlamentar pela primeira vez em 16 anos, beneficiado pelo descontentamento popular na Venezuela, com uma crise econômica provocada pela queda dos preços do petróleo.

O fato de obter a maioria de três quintos no Parlamento permite à oposição votar uma moção de censura contra os ministros ou o vice-presidente, podendo levar à sua destituição.

Se a MUD conquistar ainda os dois que faltam apurar, ficará com maioria qualificada de dois terços (112), com a qual poderá convocar uma Assembleia Constituinte ou destituir juízes do Supremo Tribunal de Justiça. Os dirigentes da MUD afirmam, desde a noite de domingo, que a coligação conseguiu a maioria de dois terços no Parlamento.

Detalhes dos números

A aliança de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) conquistou 107 cadeiras nas eleições parlamentares de ontem na Venezuela, enquanto o partido governante PSUV somou 55 deputados, informou nesta segunda-feira a autoridade eleitoral do país em seu site.

De acordo com os resultados oferecidos pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), a oposição obteve 64,07% dos votos emitidos, enquanto o PSUV ficou com 32,93%.

Para hoje, era esperado que as autoridades eleitorais anunciassem os resultados definitivos das eleições parlamentares depois que ontem a presidente do CNE, Tibisay Lucena, informou que a MUD tinha obtido 99 deputados e o governo 46.

No entanto, foi através do site do CNE que se conheceu que o número em favor da oposição subiu para 107, enquanto o chavismo ficou com 55 deputados.

Além disso, três cadeiras ficaram com representantes indígenas, que ainda não foram atribuídas a nenhum dos dois lados e se observa, segundo o gráfico exibido na página oficial do CNE, que ainda faltam duas vagas para serem definidas, de acordo com o site, no qual não há mais detalhes ou explicações sobre a apuração dos votos.

Mais cedo, a MUD se antecipou ao órgão eleitoral e afirmou que tinha conseguido 112 deputados na Assembleia Nacional, o que lhe daria dois terços da câmara, mas acrescentou que ainda faltavam quatro cadeiras para serem contabilizadas.

“A diferença de 112 a 51 (do Partido Socialista Unido da Venezuela, PSUV) foi obtida com uma vantagem nacional de pouco mais de 2 milhões de votos”, comentou o membro do Comitê Executivo da coordenação de campanha da MUD, Enrique Márquez.

Com os resultados oferecidos agora pelo CNE, a MUD só poderia atingir a maioria de dois terços da câmara (112 deputados) se conseguir atrair para o seu lado as três cadeiras indígenas e se conseguir as outras duas que faltam ser definidas.

De acordo com o divulgado pelo órgão eleitoral, a aliança opositora obteve apoio de 64,07% dos eleitores, enquanto o PSUV recebeu 32,93%, uma vitória arrasadora da oposição, que conseguiu praticamente o dobro de votos do chavismo, com mais de 31 pontos de vantagem.

O percentual de 32,93% que o CNE atribui aos governistas se encontra muito abaixo dos 42% que o chefe de Estado, Nicolás Maduro, garantiu hoje mesmo que tinha obtido a seu favor, poucas horas antes da publicação dos resultados oficiais.