Padre e dois suspeitos são mortos durante ataque contra igreja na França

  • Por EFE
  • 26/07/2016 09h01
FRA01 SAINT ETIENNE DU ROUVRAY (FRANCIA) 26/07/2016.- Un coche de la policía municipal bloquea un túnel subterráneo cerca de donde se ha producido el secuestro de una iglesia en Saint Etienne du Rouvray, cerca de Ruán, Francia, hoy, 26 de julio de 2016. La sección antiterrorista de la fiscalía de París asumió hoy la investigación de la toma de rehenes en una iglesia de Normandía, en la que murieron los dos secuestradores y al menos otra persona más, un sacerdote. El Ministerio Público ha encomendado a la Subdirección Antiterrorista (SDAT) y a la Dirección General de la Seguridad Interior (DGSI) las tareas de investigación de lo sucedido, señaló la Fiscalía en un comunicado. Por otro lado, un portavoz del Ministerio del Interior afirmó al canal "BFM TV" que un herido en el suceso, que comenzó poco antes de las 09.45 (07.45 GMT), se halla "entre la vida y la muerte". EFE/Alice PatalacciAtaque igreja frança

Dois homens armados com facas invadiram uma igreja no norte da França, mataram um padre e feriram gravemente mais uma pessoa antes de serem mortos pela polícia. Autoridades disseram que tratam o caso como um ataque terrorista. O ferido estava “entre a vida e a morte”, segundo um porta-voz do Ministério do Interior.

A dupla tomou cinco reféns, entre eles o padre, na igreja localizada na pequena cidade de Saint Etienne du Rouvray, na região da Normandia. O padre foi mais tarde encontrado com a garganta cortada, segundo a polícia. Policiais cercaram a igreja e dispararam contra os dois homens no momento em que eles tentavam fugir do local, disse um porta-voz do Ministério do Interior.

O religioso morto foi identificado como Jacques Hamel, padre auxiliar da paróquia, segundo a Conferência dos Bispos da França.

Uma terceira religiosa que conseguiu fugir deu a voz de alarme às autoridades, que rodearam o templo com agentes do corpo de elite da Brigada de Investigação e Intervenção (BRI) da Polícia, que mataram os sequestradores quando estes saíam da igreja em circunstâncias que ainda não foram esclarecidas.

Segundo a emissora pública “”France Info””, a freira que conseguiu fugir teria dito à polícia que os homens proferiram palavras islamitas ao entrar na igreja, apesar desta informação não ter sido confirmada.

Os serviços de segurança tratam nestes momentos de descobrir se pode ter explosivos ocultos na igreja, que ainda não se pode aceder, detalhou o porta-voz de Interior.

O presidente francês, François Hollande, e o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, estão a caminho da cidade, disseram autoridades do governo. O ataque é tratado como um ataque terrorista pelos investigadores, disseram promotores de Paris em comunicado.

Um porta-voz do Vaticano disse que o papa Francisco compartilha da “dor e do horror” do ataque, qualificado por ele como um ato “bárbaro” em um local sagrado.

O primeiro-ministro, Manuel Valls, expressou em uma primeira reação através de Twitter seu “horror” contra o “bárbaro ataque na igreja, que “fere a todos os franceses”. 

O ataque ocorre menos de duas semanas após 84 pessoas serem mortas durante as celebrações da Queda da Bastilha em Nice, na Riviera Francesa, por um homem em um caminhão. A Europa tem sido recentemente atingida por uma série de ataques, com quatro episódios violentos na vizinha Alemanha em uma semana.

Não é a primeira vez que uma igreja é alvo na França. Em abril, a polícia francesa prendeu Sid Ahmed Ghlam, argelino suspeito de ter laços com o Estado Islâmico que havia recebido instruções para atacar uma igreja.