PF inicia procedimento para extradição de suspeito de atentado contra o Porta dos Fundos

Segundo a polícia, Fauzi embarcou para a Rússia no dia 29 de dezembro, um dia antes de ter sua prisão decretada por tentativa de homicídio por explosão

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2020 21h53
Reprodução/TV GloboFachada do prédio da produtora foi atingida por coquetel molotov

A Polícia Federal iniciou os procedimentos para o processo de extradição do economista Eduardo Fauzi, acusado de participar do ataque à sede do Porta dos Fundos, na zona sul do Rio, no final do ano passado. Ele foi detido nesta sexta-feira, 4, pela Interpol no Aeroporto Internacional de Koltsovo, em Ekaterinburg, a 1.786 quilômetros de Moscou. Segundo a polícia, Fauzi embarcou para a Rússia no dia 29 de dezembro, um dia antes de ter sua prisão decretada por tentativa de homicídio por explosão. As investigações apontam ele como o homem que aparece em filmagens jogando um coquetel molotov na fachada do prédio da produtora. O nome dele foi integrado ao sistema da Interpol em 2 de janeiro deste ano.

Um ofício do Núcleo de Cooperação Policial Internacional da PF foi enviado às autoridades brasileiras informando sobre a detenção de Fauzi. “Informo que foi iniciado os procedimentos para dar início ao processo de extradição pelas vias diplomáticas conforme solicitação da nossa congênere em Moscou/Rússia”, escreveu a PF. O nome de Eduardo Fauzi havia sido inserido à lista de difusão da Interpol a pedido da Polícia Federal após a Justiça do Rio determinar sua prisão temporária no ano passado. Segundo a PF, as autoridades policias brasileiras e russas ‘já trabalham nos trâmites legais para extradição e retorno do detido ao Brasil’.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, responsável pela condução do processo, informou que aguarda receber solicitação formal de extradição por parte do Poder Judiciário do Rio de Janeiro, responsável pelas investigações contra Fauzi, para encaminhar o pedido ao governo russo. O Tribunal de Justiça do Rio afirma que o caso está em fase de inquérito e que ainda não foi comunicado sobre o cumprimento da ordem de prisão temporária. Em nota, o Porta dos Fundos diz esperar que ‘essa prisão venha acelerar a identificação e a punição dos outros quatro procurados pelo ataque à sede do grupo’. “Acabar com a impunidade é extremamente necessário para a construção de uma sociedade mais justa”, afirmou.

* Com informações do Estadão Conteúdo