Ala anti-Doria do PSDB busca nome para rivalizar com Garcia em eleição em SP

Tucanos que se opõem ao grupo do governador de São Paulo estudam abrigar o eventual escolhido no PSD, de Gilberto Kassab, que busca candidatura própria no maior colégio eleitoral do país

  • Por André Siqueira
  • 17/01/2022 15h50
ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO João Doria e Rodrigo Garcia Eleições 2022: O governador João Doria escolheu o vice, Rodrigo Garcia, para sucedê-lo

Uma ala do PSDB que se opõe ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se articula para tentar viabilizar uma candidatura que possa concorrer com o vice-governador Rodrigo Garcia, escolhido pelo atual mandatário estadual para sucedê-lo, na eleição para o Palácio dos Bandeirantes em outubro deste ano. O grupo se reuniu na última semana em um restaurante da capital paulista para tratar sobre o futuro da legenda, que saiu rachada do processo interno de escolha do candidato tucano para a Presidência da República.

Entre os presentes no encontro estavam os senadores José Aníbal (SP), Tasso Jereissati (CE), o deputado federal Eduardo Cury (SP), o vereador Xexéu Trípoli e o prefeito de Santo André, Paulo Serra, que coordenou a campanha do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias do PSDB. Os tucanos buscam um nome alternativo porque acreditam que Garcia “não tem nada a ver” com a sigla. “Muita gente não se sente contemplado com a candidatura do Rodrigo”, disse à Jovem Pan um dos presentes. “É mais do mesmo, está dentro daquele grupo que só pensa em fazer parte dos acordos ‘dorianos'”, acrescenta, em crítica explícita a Doria.

O grupo quer amadurecer a ideia nas próximas semanas e deve realizar uma nova reunião nos próximos dias. Um dos caminhos idealizados pela ala anti-Doria para a eleição para o governo do Estado de São Paulo é abrigar o eventual nome escolhido no PSD de Gilberto Kassab. Segundo apurou a Jovem Pan, pelo menos dois nomes são aventados: os prefeitos Paulo Serra e Felicio Ramuth, de Santo André e São José dos Campos, respectivamente. Serra deixou o PSD e migrou para o PSDB em 2015; Ramuth, por sua vez, deve fazer o caminho inverso nos próximos dias. Kassab sonhava em abrigar o ex-governador Geraldo Alckmin em sua legenda, mas o ex-tucano, que deixou o PSDB após 33 anos, negocia uma dobradinha com o PT para compor a chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no pleito presidencial.