‘Não parto do princípio de que tudo o que falo é correto’, diz Osmar Terra; veja como foi

Apontado como mentor do ‘gabinete paralelo’, parlamentar se defendeu dos erros nas previsões sobre a pandemia e relativizou a tese da imunidade de rebanho

  • Por Jovem Pan
  • 22/06/2021 09h34 - Atualizado em 22/06/2021 18h43
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoEx-ministro da Cidadania, Osmar Terra se notabilizou por previsões equivocadas sobre a pandemia do novo coronavírus

A CPI da Covid-19 ouviu, nesta terça-feira, 22, o deputado federal e ex-ministro da Cidadania Osmar Terra (MDB-RS). Conselheiro do presidente Jair Bolsonaro para a área da saúde, o parlamentar, que já foi cotado para o cargo de ministro da Saúde, é considerado mentor do chamado “gabinete paralelo” no Ministério da Saúde que assessora o Palácio do Planalto para a definição de políticas de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Em razão de um pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), o emedebista será ouvido na condição de convidado, não de testemunha, como previam os requerimentos aprovados. Neste caso, ele não precisa prestar o compromisso de dizer a verdade e tem o direito de se retirar a qualquer momento.

A convocação de Osmar Terra foi aprovada após a divulgação de um vídeo no qual o virologista Paolo Zanotto sugere, em evento no Palácio do Planalto, a criação de um “shadow cabinet” (gabinete das sombras, em tradução livre). O deputado federal também se notabilizou por fazer previsões equivocadas sobre a pandemia do novo coronavírus. No início da crise sanitária, ele afirmou que a Covid-19 mataria menos do que o H1N1, que em 2009 foi responsável por 2.146 óbitos. Somente no sábado, 19, segundo boletim divulgado pelo Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde (Conass), foram registradas 2.301 mortes – na mesma data, o Brasil ultrapassou a marca de 500 mil mortes. Além disso, o parlamentar descartou a ocorrência da segunda onda e disse, em mais de uma ocasião ao longo de 2020, que a pandemia estava no fim.

Antes do depoimento, os senadores iriam analisar 57 requerimentos de convocações e informações, incluídos na pauta pelo presidente Omar Aziz (PSD-AM). Entre eles estava o pedido de realização de reunião secreta com o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, a convocação do atual governador do Estado, Cláudio Castro, e as quebras dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de Alex Lial Marinho, assessor de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde que, como a Jovem Pan mostrou, foi citado em um depoimento de um servidor da pasta ao Ministério Público Federal (MPF) como responsável por uma “pressão anormal” para agilizar o processo de importação da vacina indiana Covaxin. A análise foi adiada e ocorrerá na sessão da quarta-feira, 23. Acompanhe a cobertura ao vivo da Jovem Pan: 

18:41 – Sessão é encerrada. 

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid-19, encerrou a sessão desta terça-feira, 22. Nesta quarta-feira, 23, os senadores vão analisar requerimentos de informações e convocações.

18:37 – ‘Hora ou outra, presidente e governadores que desviaram verbas públicas serão responsabilizados pelas mortes’, diz senador

Último senador inscrito, Fabiano Contarato (Rede-ES) afirmou que uma hora ou outra, o presidente Jair Bolsonaro e governadores envolvidos com desvio de verba pública serão responsabilizados pelas mais de 500 mil mortes causadas pela pandemia do novo coronavírus.

18:26 – ‘Não parto do princípio de que tudo o que falo é correto como a ciência manda’, diz Terra

Respondendo a um questionamento do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), último senador inscrito da sessão desta terça-feira, 22, Osmar Terra (MDB-RS) afirmou que não parte “do princípio de que tudo o que falo é correto como a ciência manda”. “Mas eu procuro fazer isso: buscar a ciência. Só não aceito quem acha que, ao trancar as pessoas em casa e fazer lockdown, está se fazendo ciência”, acrescentou.

18:08 – Senadora defende imprensa e diz que mortes por Covid-19 causam pânico 

Ao longo de seu depoimento, o deputado Osmar Terra afirmou, mais de uma vez, que a cobertura da imprensa sobre a pandemia do novo coronavírus causa pânico na população. Em seu tempo de fala, a senadora Zenaida Maia (PROS-RN) saiu em defesa dos jornalistas e afirmou que o que aterroriza as pessoas são as mais de 500 mil mortes causadas pela doença. A parlamentar ressaltou que muitos óbitos poderiam ter sido evitados se o governo do presidente Jair Bolsonaro não tivesse negligenciado a compra de vacinas, por exemplo.

17:57 – ‘Estou vendo a coisa sair dos trilhos juridicamente’, diz senadora governista 

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), aliada do Palácio do Planalto, pediu a Osmar Terra (MDB-RS) que apresente nomes de quem eventualmente tenha cometido erros no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. “Isso aqui não é uma brincadeira, isso aqui não é uma pizzaria. Eu estou vendo a coisa sair dos trilhos juridicamente. Este é o único caminho aqui dentro para que façamos justiça e não deixemos cair a culpa objetiva no colo do presidente da República”, disse.

17:00 – Osmar Terra distorce dados sobre casos e mortes em Araraquara (SP)

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) comparou as cidades de Chapecó (SC) e Araraquara (SP) para tentar justificar a sua tese de que o isolamento social não reduz a circulação do vírus – a cidade do interior de São Paulo, vale dizer, entrou em lockdown pela segunda vez neste ano, enquanto o município catarinense é citado por aliados do presidente Jair Bolsonaro como exemplo de combate à crise sanitária. No entanto, a cidade do Estado de Santa Catarina tem menos habitantes e registra mais casos e mais mortes pela Covid-19, segundo dados divulgados pelas duas prefeituras.

16:45 – Osmar Terra contraria evidências científicas e diz que isolamento social ‘não reduz’ circulação do vírus

Questionado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) afirmou que o isolamento social “não reduz” a circulação do vírus. A declaração contraria todas as evidências científicas. “Não reduz, porque quem sai para trabalhar contamina os que não trabalham”, disse. Vieira disse que vai encaminhar ao emedebista estudos publicados nas revistas científicas Science, Nature e The Lancet, que comprovam que o parlamentar está equivocado. “É para que o senhor possa, eventualmente, mudar de ideia”, acrescentou o senador do Cidadania.

16:25 – ‘Governo Bolsonaro agiu como promotor da pandemia’, diz senador do PT 

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), suplente da CPI da Covid-19, disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro “obstruiu” o combate à crise sanitária e “agiu como promotor da pandemia”. O petista citou a defesa da cloroquina, remédio comprovadamente ineficaz para o tratamento da doença e relembrou que Bolsonaro foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar proibir o isolamento social, e tentou vetar o uso de máscaras.

16:15 – Osmar Terra defende Bolsonaro e Randolfe cita decisão do STF 

O deputado Osmar Terra (MDB-RS) saiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro. Para o parlamentar, o chefe do Executivo federal “não pode fazer nada em relação à pandemia”, em razão de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), esclareceu que a Corte não impediu a União de coordenar a estratégia de enfrentamento à crise sanitária, mas, sim, reconheceu a autonomia concorrente de Estados e municípios.

15:40 – Governista exibe vídeo de Dráuzio Varella de janeiro de 2020 e é repreendido por Omar Aziz

O senador governista Marcos Rogério (DEM-RO) utilizou parte de seu tempo de fala para exibir um vídeo do médico Dráuzio Varella, de janeiro de 2020, no qual ele afirma que, à época, o coronavírus não deveria causar pânico nos brasileiros. Os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) fizeram questão de destacar que Dráuzio retificou sua opinião em maio do mesmo ano. Omar Aziz, presidente da CPI da Covid-19, então, disparou: “Olha, eu conheço o doutor Dráuzio pela televisão. Nunca falei com ele, mas, que eu saiba, ele mudou de opinião. O burro chucro não, ele fica empacado, está me entendendo? Sabe o que é o burro chucro? Sabe, né? Aquele cara que empaca em uma ideia e não se mexe”.

15:34 – Depoimento de Maximiano será na próxima semana 

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o depoimento de Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, ocorrerá na quinta-feira, 1º, ou na sexta-feira, 2 de julho. Com isso, a sessão desta quarta-feira, 23, será destinada à análise de requerimentos de convocações e informações. Os senadores criticaram o fato de a comunicação ter sido feita apenas na véspera da oitiva. “Era público que ele viria aqui, mandamos várias correspondências e ele não respondeu nenhuma delas. Quem respondeu foi o advogado”, disse Aziz. Vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acrescentou que o aviso da ausência, na véspera do depoimento, foi um desrespeito. “Ele começou muito mal”, avaliou.

15:04 – Sócio da Precisa Medicamentos diz que não vai à CPI da Covid-19

Em ofício enviado aos senadores, o empresário Francisco Maximiano afirmou que não vai comparecer à comissão. A defesa afirma que ele está cumprindo quarentena de 14 dias em razão de uma viagem recente à Índia. Em resposta, o secretário da comissão disse que a CPI da Covid-19 aguarda a presença de Francisco Maximiano. “Se o depoente não se fizer presente, a ausência será considerada injustificada, e serão adotados os mesmos procedimentos que a comissão adotou em relação ao Sr. Carlos Wizard”, ressalta. “Ainda, ressalto que a comunicação de não comparecimento se deu de forma absolutamente extemporânea, de modo a inviabilizar as atividades da CPI amanhã. Nitidamente o depoente busca atrapalhar as investigações do colegiado”, acrescenta. Leia a reportagem da Jovem Pan. 

14:03 – Sessão é retomada

Depoimento de Osmar Terra (MDB-RS) é retomado. Fala, agora, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O tucano listou uma série de erros nas previsões feitas pelo emedebista. Conselheiro informal do presidente Jair Bolsonaro na área da saúde, Terra errou sobre o número de mortes, a duração da pandemia, a existência de variantes e a possibilidade de segunda onda, por exemplo.

13:33 – Sessão é suspensa por 30 minutos

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a sessão por 30 minutos. Na sequência, falará o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

13:20 – Osmar Terra tomou cloroquina e teve 80% dos pulmões comprometidos 

O deputado Osmar Terra (MDB-RS) afirmou que, quando foi infectado com a Covid-19, em novembro de 2020, tomou cloroquina. Apesar disso, segundo relatou, teve 80% dos pulmões comprometidos. O medicamento, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro e por seus aliados, é comprovadamente ineficaz para o tratamento da doença.

12:49 – ‘Dizer que vai ter imunidade de rebanho sem conhecer cientificamente os dados, não é coisa de responsabilidade’, diz Otto Alencar

O senador Otto Alencar (PSD-BA) criticou a tese de imunidade de rebanho, defendida por Osmar Terra. “Essa questão de de dizer que o coronavírus faz imunidade de rebanho, o senhor tem que saber por quanto tempo os anticorpos do coronavírus ficam no organismo das pessoas. Ninguém sabe isso, muito menos o senhor. O senhor dizer que vai ter imunidade de rebanho sem conhecer cientificamente estes dados, não é coisa de responsabilidade”, disse.

12:34 – ‘Não tem mentira maior que dizer que o STF tirou o poder do presidente’, diz Omar Aziz

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), rebateu o argumento, utilizado por Osmar Terra, pelo presidente Jair Bolsonaro e por seus aliados, de que o Supremo Tribunal Federal (STF) tirou o poder decisório da União. “Não tem mentira maior que dizer que o STF tirou o poder do presidente. Essa é a maior mentira que existe”, disse. Aziz acrescentou que o governo federal utiliza a pandemia como “justificativa para dizer que prefeitos e governadores são culpados” pela crise sanitária. Na sequência, o senador do PSD fez um apelo a Bolsonaro: “O senhor precisa nos ajudar a se vacinar. Ele precisa se vacinar para dar o exemplo. Não é uma questão política”.

12:06 – ‘Não existe gabinete paralelo. É ficção’, diz Osmar Terra

O deputado Osmar Terra afirmou que “não existe gabinete paralelo. É ficção”. Ele acrescentou que “todos os presidentes se aconselham com alguém” e disse os encontros de um grupo de médicos que não tinham vínculo com o Ministério da Saúde representavam “opiniões esporádicas de conversas”.

11:51 – Osmar Terra diz que vírus ‘provoca mais anticorpos do que o vírus morto’

Osmar Terra afirmou que o vírus “provoca mais anticorpos do que o vírus morto”, em alusão aos imunizante. É o mesmo argumento utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro para dizer que a infecção pela Covid-19 é mais eficaz do que as vacinas, como afirmou em sua live da quinta-feira, 17. “A vacina é a imunização segura. O senhor esteve internado em  uma UTI, eu em uma semi-UTI”, interferiu o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Terra omite que a infecção do coronavírus causou a morte de mais de 502 mil brasileiros.

11:45 – Renan Calheiros chama Bolsonaro de ‘ventríloquo’ de Osmar Terra

Relator da CPI da Covid-19, o senador Renan Calheiros mostrou vídeos intercalados de falas de Osmar Terra que foram reproduzidas, com os mesmos argumentos, pelo presidente Jair Bolsonaro. “Impressionante o ventríloquo que fala o que fala o deputado”, disse Calheiros.

11:27 – ‘Não tenho poder sobre o presidente’, diz Osmar Terra 

“Não tenho poder sobre o presidente”. Foi desta forma que o deputado federal Osmar Terra respondeu à pergunta do relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre sua influência junto a Jair Bolsonaro. “Se eu tivesse poder eu era presidente e ele era deputado”, disse. De forma equivocada, o parlamentar afirmou que “quarentena e lockdown não funciona”. O distanciamento social é uma das medidas não farmacológicas mais eficientes para conter a disseminação do vírus.

10:59 – Omar Aziz: ‘Responsabilizo essas mortes que tiveram no Amazonas àqueles que foram contra o lockdown’

Presidente da CPI da Covid-19, o senador Omar Aziz (PSD-AM), disse a Osmar Terra que é preciso “ter cuidado com as palavras e com os números porque foram vidas que foram perdidas”. “Eu responsabilizo essas mortes que tiveram no Amazonas àqueles que foram contra o lockdown”, acrescentou. Em publicações em suas redes sociais, o deputado federal descartou a possibilidade de uma segunda onda no Estado.

10:55 – Terra diz que previsões não se confirmaram por causa de mutações da Covid-19 

Osmar Terra disse que a pandemia de coronavírus no Brasil não se comportou como as demais em razão das mutações do vírus. Ocorre que ele mesmo afirmou que isso não aconteceria. Em um vídeo apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) no início de seus questionamentos, Terra pondera: “Não tem esse problema [de reinfecção], que pode ser um pouquinho diferente um do outro e tal, mas não tem esse risco de acontecer, senão as epidemias não acabavam nunca”.

10:43 – Terra cita Suécia como exemplo e senadores rebatem 

Osmar Terra citou a Suécia como exemplo no combate à pandemia do novo coronavírus e causou reação dos senadores. “A Suécia pode ensinar como se enfrentar uma pandemia. Tem que ter metodologia”, disse. Vice-presidente da CPI da Covid-19, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), reagiu: “Você disse Suécia? O gabinete do primeiro-ministro caiu ontem por causa da má condução da pandemia”. “O senhor está falando bobagem”, acrescentou Otto Alencar (PSD-BA), que é médico.

10:30 – Osmar Terra critica isolamento social 

Em sua fala inicial, Osmar Terra (MDB-RS) fez ataques às medidas defendidas pela ciência e criticou o isolamento social. O deputado federal também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “não teve o poder de decidir nada”, em alusão à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheceu a competência concorrente da União, Estados e municípios na adoção de medidas de combate à Covid-19. Aliados do chefe do Executivo federal costumam dizer que a Suprema Corte retirou a autonomia de Bolsonaro, mas isto é mentira.

10:25 – Osmar Terra diz que fez previsões baseadas ‘nos fatos que existiam’ no início da pandemia 

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) disse que fez as previsões sobre a pandemia no Brasil baseado “nos fatos que existiam na época, em fevereiro e março [de 2020]. Quais eram os fatos? A epidemia da China, que teve um surto completo”. O parlamentar se notabilizou por uma série de análises erradas acerca da crise sanitária. Ele chegou a dizer que a Covid-19 causaria menos mortes que a H1N1, que em 2009 foi responsável por 2.146 óbitos. No sábado, o Brasil ultrapassou a marca dos 500 mil mortos.

10:11 – Líder do governo no Senado pede que Queiroga não seja investigado

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), pediu ao relator, Renan Calheiros (MDB-AL), que reconsidere a decisão de incluir o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na lista de investigados pela CPI da Covid-19. “Faço esse apelo por causa da razoabilidade”, disse. Omar Aziz afirmou que há duas razões para investigá-lo: “Ele disse que não é censor. Não. Todo médico é censor. Todo médico censura o seu paciente. Quando vamos ao médico, o médico nos censura. Ele diz: ‘não pode fazer isso, não pode comer aquilo’. [Em segundo lugar] A Pfizer vendeu as vacinas e estamos tendo 1 bilhão em prejuízo. As doses, estão sendo vendidas a 12 dólares a dose [no primeiro contrato eram 10 dólares]. Se tivéssemos comprado em dezembro do ano passado, teríamos economizado 1 bilhão de dólares. Essas duas razões levam o ministro a ser investigado. Como médico, ele diz que não é censor, ele tem que censurar o paciente que não está cumprindo a regra”.

10:08 – Senadores fazem um minuto de silêncio pelas vítimas da Covid-19 

A pedido do senador Rogério Carvalho (PT-SE), suplente da CPI da Covid-19, os senadores fizeram um minuto de silêncio pelas mais de 500 mil vítimas da doença.

Senadores no plenário da CPI da Covid-19

Senadores fizeram um minuto de silêncio em homenagem às mais de 500 mil vítimas da Covid-19

10:04 – Governistas apresentam questão de ordem

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), abriu a sessão há 30 minutos. Neste intervalo de tempo, os senadores governistas Ciro Nogueira (PP-PI), Marcos Rogério (DEM-RO), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Luis Carlos Heinze (PP-RS) apresentaram diversas questões de ordem. Depoente desta terça-feira, 22, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) está aguardando há mais de uma hora.

09:52 – Marcos do Val pede que representantes do Facebook e Google sejam convidados, não convocados

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) pediu que a convocação de representantes do Facebook e do Google seja convertida em convite. Os membros da comissão querem esclarecer por que as plataformas mantém publicações, entre elas as lives semanais do presidente Jair Bolsonaro, que propagam remédios comprovadamente ineficazes para o tratamento da Covid-19. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), disse que as empresas são testemunhas de crimes e podem, sim, ser investigados pelo colegiado.

09:37 – Ciro Nogueira diz que não tem visto ‘nada de positivo’ na CPI da Covid-19; Aziz reage

Um dos principais aliados do presidente Jair Bolsonaro no Congresso, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas, disse que não tem visto “nada positivo dessa comissão”. “Quando a comissão foi iniciada, havia uma expectativa muito alta sobre nossos trabalhos. Mas não tenho visto nada positivo dessa comissão. A população está se sentindo um pouco abandonada”, afirmou. Presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), reagiu: “A CPI está avançando, sim. O próprio presidente está anunciando a chegada de 1,5 milhão de vacinas da Janssen”.

09:36 – Presidente da CPI da Covid-19 adia análise dos requerimentos 

Omar Aziz (PSD-AM) adiou a análise dos requerimentos que estavam na pauta. Com isso, os mais de 57 pedidos de informação e convocação serão votados na sessão desta quarta-feira, 23.

09:34 – Omar Aziz abre a sessão 

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), iniciou os trabalhos desta terça-feira, 22. Os senadores vão ouvir o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS).