‘Imunidade de rebanho não é estratégia para acabar com a pandemia’, diz médico; veja como foi

Ricardo Zimerman é defensor do uso de medicamentos comprovadamente ineficazes para o tratamento da doença; relator divulgou lista de autoridades que serão investigados pela comissão

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2021 10h09 - Atualizado em 18/06/2021 17h42
Jefferson Rudy/Agência SenadoOs 40 requerimentos que estavam na pauta serão votados na terça-feira, 22

A CPI da Covid-19 ouviu, nesta sexta-feira, 18, os médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves, defensores do uso de remédios comprovadamente ineficazes para o chamado “tratamento precoce” do novo coronavírus. Eles foram convocados pelos senadores governistas Luis Carlos Heinze (PP-RS), Marcos Rogério (DEM-RO), Jorginho Mello (PL-SC) e Ciro Nogueira (PP-PI). A pauta da sessão também previa a votação de 40 requerimentos de informações e convocações, mas, por decisão do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), a análise será feita na terça-feira, 22 – no mesmo dia, o colegiado recebe o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), considerado um conselheiro informal do presidente Jair Bolsonaro para a área da saúde. A pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), Terra será ouvido na condição de convidado, não testemunha. Neste caso, o emedebista não precisará prestar o compromisso de dizer a verdade.

Também nesta sexta-feira, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), divulgou, em coletiva de imprensa, uma lista de 14 nomes que passarão da condição de testemunhas a investigados pela comissão. Entre eles estão o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores), o ex-chefe da Secom Fábio Wajngarten, a médica Nise Yamaguchi, Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde, e o empresário Carlos Wizard Martins. Como a Jovem Pan mostrou, o emedebista decidiu incluir Queiroga na relação mesmo não havendo consenso no G7, grupo formado pelos senadores independentes e de oposição. Além do emedebista, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE) decidiram deixar a sessão, sob a justificativa de que o Congresso não deveria discutir o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes.  Veja como foi a audiência pública: 

17:32 – Sessão é encerrada 

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), que preside os trabalhos desta sexta-feira, 18, na ausência de Omar Aziz (PSD-AM) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), encerrou a sessão. A próxima reunião ocorrerá na terça-feira, 22 – os parlamentares vão ouvir o deputado Osmar Terra (MDB-RS).

16:47 – Infectologista diz não ser representado por Sociedade Brasileira de Infectologista 

O infectologista Ricardo Zimerman, ouvido nesta sexta-feira, 18, pela CPI da Covid-19, disse não ser representado pela Sociedade Brasileira de Infectologista (SBI), mas, sim, pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O primeiro órgão é contra o uso da hidroxicloroquina, remédio comprovadamente ineficaz para o tratamento do novo coronavírus; o segundo não condena o uso e defende a autonomia do médico para prescrever medicamentos.

15:37 – Wizard foi alvo de condução coercitiva nesta quinta, mas PF não o encontrou

A Justiça Federal de São Paulo informou a CPI da Covid-19, nesta sexta-feira, 18, que a Polícia Federal (PF) não conseguiu cumprir o mandado de condução coercitiva de Carlos Wizard, apontado como membro do gabinete paralelo de assessoramento ao presidente Jair Bolsonaro para a definição de políticas de enfrentamento à crise sanitária. Ele era aguardado a depor na quinta-feira, 17, mas não compareceu. Segundo um documento obtido pela Jovem Pan, policiais foram à residência de Wizard, em Campinas (SP), mas não o encontraram. No local, segundo o relato do delegado Flavio Vieitez Reis, um funcionário afirmou que não via o empresário “há algum tempo”. Confira a íntegra da reportagem.

15:08 – ‘Não tenho visto a CPI caminha na direção de atingir objetivo de interesse público’, diz governista

Roberto Rocha (PSDB-MA) afirmou que “até agora, como cidadão e senador da República, não tenho visto a CPI caminhar na direção de atingir objetivo de interesse do povo brasileiro”. O tucano, que não titular ou suplente da comissão, é aliado do Palácio do Planalto.

15:05 – Sem provas, senador diz que Lula tomou cloroquina para se tratar da Covid-19

O senador Roberto Rocha (PSDB-MA), aliado do presidente Jair Bolsonaro no Congresso, utilizou o trecho final de seu tempo de fala para dizer que “é evidente” que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tomou cloroquina para se tratar da Covid-19. Quando foi diagnosticado com a doença, o petista estava em Cuba. “Bolsonaro tomou cloroquina. Pegou Covid-19, tomou cloroquina. Está bem, graças a Deus. Lula pegou Covid-19, ele tratou onde? Em cuba. Lá tem cloroquina no protocolo oficial. O ex-presidente, que também está muito bem, graças a Deus, ele também tomou cloroquina? Essa é a questão. É evidente que tomou. Não posso acreditar que Lula, com o respeito que tem por Cuba, iria lá descumprir o protocolo oficial”, disse.

14:25 – Marcos Rogério volta a criticar ausência de Renan Calheiros 

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) voltou a criticar a ausência de Renan Calheiros (MDB-AL), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE) na audiência pública desta sexta-feira. Os parlamentares se retiraram da sessão logo no início. “Essa ausência deliberada macula e deslegitima os atos do relator e dos membros da oposição. Essa CPI, hoje, com todo o respeito, perdeu a sua razão de ser. Eles deliberaram uma lista de investigados. Eu não votei nenhuma sessão. Divulgaram uma lista de quem acham que é investigado”, disse. A decisão de transformar uma testemunha em investigado é uma prerrogativa do relator de uma comissão parlamentar de inquérito.

14:00 – Toffoli barra quebra de sigilo de ex-assessor de Pazuello

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), barrou, nesta sexta-feira, 18, a quebra de sigilo telefônico e telemático do advogado Zoser Plata Hardman, ex-assessor especial de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde. Em sua decisão, afirmou que não há a devida fundamentação que justifique a medida. “Não houve demonstração objetiva de uma causa provável a justificar a ruptura da esfera da intimidade do impetrante” ou “demonstração objetiva que os dados e informações buscados teriam utilidade para veicular o desenrolar da investigação”, escreveu Toffoli.

12:50 – ‘Imunidade de rebanho não pode ser encarada como uma estratégia para acabar com a pandemia’, diz médico 

O médico Ricardo Zimerman afirmou ao presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), que a tese de imunidade de rebanho, defendida por alguns aliados do presidente Jair Bolsonaro, “não pode ser encarada como uma estratégia para acabar com a pandemia”.

12:39 – Omar Aziz critica tratamento precoce: ‘95% das pessoas adquirem o vírus e não sentem nada’

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), contestou a declaração do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), segundo o qual aproximadamente 16 milhões de pessoas contaminadas foram salvas pelo chamado “tratamento precoce”. “Muita gente pega esse vírus e não acontece nada, senador, não sente nada: 95% das pessoas que estão adquirindo a doença não sentem nada ou sentem algo leve, é isso”.

12:27 – ‘Quem está tomando a vacina quer se proteger do vírus’, diz médico 

Depois da afirmação do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) de que a vacinção “impede a infecção e a transmissão” da Covid-19, o médico Francisco Eduardo Cardoso Alves que a pessoa imunizada “pode pegar e transmitir, mas não evoluir com a doença”. “As vacinas têm eficácia na redução de incidência da doença. Ou seja, estou vacinado, posso pegar, transmitir, mas não evoluo com doença. É o que importa. Quem está tomando a vacina quer se proteger do vírus, não quer morrer”, disse.

12:22 – Governista mente sobre vacinação 

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) afirmou há pouco que “a vacinação garante imunidade, portanto, impede a infecção e a transmissão” da Covid-19. Não é verdade. Os imunizantes não impedem que uma pessoa contraia o vírus. No entanto, eles reduzem as chances de agravamento de quadro, que teria como consequência hospitalização ou morte de um paciente.

10:58 – Queiroga, Pazuello, Ernesto Araújo e mais 11 serão investigados pela CPI da Covid-19

O relator da CPI da Covid-19, Renan Calheiros (MDB-AL), divulgou, nesta sexta-feira, 18, a lista com 14 nomes que serão investigados pela comissão. Na relação, estão o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e outras 11 pessoas. São elas: o ex-chefe da Secom Fábio Wajngarten, a secretária Mayra Pinheiro, do Ministério da Saúde, o ex-secretário-executivo da pasta Elcio Franco Filho, os médicos Nise Yamaguchi, Paolo Zanotto e Luciano Dias de Azevedo, o empresário Carlos Wizard Martins, o ex-assessor especial da Presidência da República Arthur Weintraub, a coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI) Francieli Fantinato, o ex-secretário de Saúde do Amazonas Marcellus Campêlo, o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde Hélio Angotti Neto. Veja a reportagem da Jovem Pan.

10:44 – Médico diz que Omar Aziz precisa ‘conhecer melhor’ a variante P1 e presidente reage: ‘Perdi meu irmão’ 

Ricardo Zimerman, convidado pelo senador governista Luis Carlos Heinze (PP-RS), disse que o presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM) precisava “conhecer melhor” a variante P1 do coronavírus, identificada no Estado do Amazonas. A declaração causou indignação de Aziz, que reagiu: “Eu perdi o meu irmão para a P1, eu sei o que é a P1. Não venha me dizer o que é, perdi meu irmão”.

10:41 – ‘Usaram o meu Estado como cobaia’, diz Omar Aziz 

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), criticou a defesa dos medicamentos comprovadamente ineficazes para o tratamento do coronavírus. “Usaram o meu Estado como cobaia. Cobaia”, disse Aziz, que já foi governador do Amazonas. Ele interrompeu uma fala de Ricardo Zimerman, que integrou a comitiva de médicos que foi a Manaus divulgar o inexistente tratamento precoce e o aplicativo TrateCov, que prescrevia cloroquina para gestantes e recém-nascidos.

10:29 – Governista critica “covardia” e “papelão” de relator

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), governista, criticou a decisão do relator, Renan Calheiros (MDB-AL), de se retirar da sessão. O senador afirmou que foi um “papelão” e um ato de “covardia”. “São pais da ciência, covardes”, disse Rogério.

10:20 – Senadores se retiram do plenário 

Os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE) se retiraram da sessão. A iniciativa faz parte da estratégia de esvaziar a sessão, que ouve médicos defensores de remédio comprovadamente ineficazes para o tratamento da Covid-19.

10:17 – Renan Calheiros não fará questionamentos aos médicos 

O relator Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que não fará questionamentos aos médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves porque acredita ser inadmissível debater o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes. “Me recuso a fazer qualquer pergunta. Eu me recuso. Não dá para continuar nessa situação”, disse.

10:12 – Randolfe quer convocar representantes por Facebook e YouTube

Vice-presidente da CPI da Covid-19, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que vai apresentar requerimentos de convocação de representantes do Facebook e do YouTube para questionar os motivos pelos quais as plataformas permitem a realização das transmissões ao vivo nas quais o presidente Jair Bolsonaro propaga desinformação. Em sua live desta quinta-feira, 17, Bolsonaro disse que a infecção pelo coronavírus é “mais eficaz” que a vacina. “Tem que acabar esse negócio de live… É de importância muito grande [esse requerimento], porque propaga mentira e inverdade”, disse Omar Aziz (PSD-AM).

10:00 – ‘Não médico prescrever remédio é algo absolutamente ilegal’, diz Cardoso Alves

Respondendo a um questionamento do presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), Francisco Eduardo Cardoso Alves disse que a prescrição de medicamento por alguém que não seja médico “é algo absolutamente ilegal”.

09:45 – Médico diz que tratamento off label não é prática ilegal 

Em sua exposição inicial, Francisco Eduardo Alves disse que uso de medicamentos off label não é ilegal porque os medicamentos são autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ele também afirmou que a prescrição dos fármacos é de responsabilidade do médico.

09:30 – Omar Aziz abre a sessão 

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), iniciou os trabalhos desta sexta-feira, 18. Serão ouvidos os médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves.