Após determinação de Cármen Lúcia, Ricardo Salles entrega passaporte à Polícia Federal

Ex-ministro é alvo de inquérito que apura os crimes de advocacia administrativa, obstrução de investigação ambiental e tentativa de atrapalhar a apuração sobre a Operação Handroanthus

  • Por Giullia Chechia Mazza
  • 25/06/2021 18h29 - Atualizado em 25/06/2021 18h34
Roque de Sá/Agência SenadoO inquérito também foi instaurado pela relatora Cármen Lúcia, ainda no início de junho

O ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles entregou seu passaporte à Polícia Federal (PF) nesta sexta-feira, 25. A ação ocorreu após uma ordem da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que decretou a apreensão do documento nesta quinta-feira, 24. No dia anterior, ele deixou o governo federal. “Para evitar a medida mais gravosa, ou seja, a prisão processual (preventiva), parece razoável decretar-se medida cautelar mais branda, consistente na proibição do advogado Ricardo de Aquino Salles de deixar o Brasil, para atingir a finalidade pretendida de apuração dos fatos em benefício da segurança pública e da defesa da sociedade”, registrou a ministra na decisão à qual a Jovem Pan teve acesso. O pedido de apreensão foi protocolado pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros.

Salles é alvo de um inquérito que investiga crimes de advocacia administrativa, obstrução de investigação ambiental e tentativa de atrapalhar as investigações sobre a Operação Handroanthus, na qual foi feita a maior apreensão de madeira do Brasil. A apuração foi instaurada com base na notícia-crime desenvolvida pelo ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva. No documento, Salles é acusado de atuar beneficiando madeireiras investigadas por extração ilegal de madeira na Amazônia Legal. O inquérito também foi instaurado pela relatora Cármen Lúcia, ainda no início de junho.