Bolsonaro critica STF e diz que ‘quem age fora da Constituição se enquadra ou pede para sair’

A apoiadores, presidente também afirmou, na Esplanada dos Ministérios, que não poderá aceitar que ‘uma pessoa específica continue barbarizando a nossa população’

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2021 12h19
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOBolsonaro discursou em Brasília e fará pronunciamento na Avenida Paulista (SP), na tarde desta terça-feira, 7

Em um discurso na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, na manhã desta terça-feira, 7, o presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), sem citá-lo nominalmente. A apoiadores, o chefe do Executivo federal disse que o magistrado “perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal”. “Ou o chefe desse Poder [ministro Luiz Fux] enquadra o seu, ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos”, seguiu o mandatário do país, acrescentando que “quem age fora dela [Constituição Federal] se enquadra ou pede para sair”. Os bolsonaristas presentes reagiram aos gritos de “eu autorizo” e “fora Alexandre”. Ainda nesta terça, Bolsonaro fará um pronunciamento na Avenida Paulista, em São Paulo, em um ato que deve ocorrer a partir das 15h.

“Nós não mais aceitaremos que qualquer autoridade, usando a força do Poder, passe por cima da nossa Constituição. Não mais aceitaremos qualquer medida, qualquer ação que venha de fora das quatro linhas da Constituição. Nós também não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos três Poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse Poder [ministro Luix Fux] enquadra o seu, ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos. Porque nós valorizamos, reconhecemos e sabemos o valor de cada Poder da República. Nós todos, aqui na praça dos três Poderes, juramos respeitar a nossa Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede para sair. Uma pessoa do Supremo Tribunal Federal perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal. Nós todos aqui, sem exceção, somos aqueles que dirão para onde o Brasil deverá ir”, disse. Bolsonaro também afirmou que participará, nesta quarta-feira, 8, de uma reunião do Conselho da República, mas, até o momento, o encontro não foi agendado. “Peço que me ouçam por volta das 16h na Avenida Paulista. Como chefe do Executivo, seria mais fácil ficar em casa mas como sempre disse ao longo da minha vida política, estarei onde o povo estiver. Vou a São Paulo e retorno. Amanhã estarei no Conselho da República, juntamente com ministros, para nós, juntamente com os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal, com esta fotografia de vocês, mostrar para onde nós todos devemos ir”, acrescentou.

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem feito críticas a decisões do ministro Alexandre de Moraes e do corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Felipe Salomão, que atingiram apoiadores do presidente da República, como o ex-deputado federal Roberto Jefferson, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), o cantor Sérgio Reis, e perfis e canais nas redes sociais investigados pela disseminação de notícias falsas. Em uma entrevista à Rádio Capital de Cuiabá, em 17 de agosto, o chefe do Executivo federal afirmou que Salomão cometeu “uma barbaridade” ao dar “uma canetada para desmonetizar certas páginas de pessoas  que têm criticado a falta de mais transparência no voto”.