‘Quero dizer aos canalhas: eu nunca serei preso’, diz Bolsonaro; veja como foi o dia de manifestações pelo país

Atos ocorreram em diversas cidades do Brasil; apoiadores do presidente Jair Bolsonaro ocuparam a avenida Paulista, a Esplanada dos Ministérios, Copacabana e outros locais

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2021 10h46 - Atualizado em 07/09/2021 18h28
JOAO GABRIEL ALVES/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDOEntre cartazes, camisetas e bandeiras do Brasil, os participantes pedem o impeachment de ministros da Supremo Corte e demonstram apoio do governo

Manifestantes pró-governo já começaram os atos em apoio ao presidente Jair Bolsonaro, contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e em comemoração ao 7 de setembro. Em Brasília, os participantes conseguiram furar o bloqueio da Polícia Militar e ter acesso a Esplanada dos Ministérios ainda nesta segunda-feira, 6. Entre cartazes, camisetas e bandeiras do Brasil, os participantes pedem o impeachment de ministros da Supremo Corte e demonstram apoio do governo federal. Além do Distrito Federal, as manifestações desta terça se espalham por diversos Estados brasileiros, como São Paulo e Rio de Janeiro. Atos em apoio à Bolsonaro também estão previstos para acontecer no exterior. Confira abaixo a cobertura especial da Jovem Pan sobre as manifestações deste 7 de setembro:

18:20 – Dia de manifestações no 7 de setembro chega ao fim

Ato pró-Bolsonaro chega ao fim na Avenida Paulista. A Jovem Pan encerra agora a sua cobertura especial ao vivo dos protestos, iniciada nas primeiras horas desta terça-feira, 7. Continue acompanhando no nosso portal as principais notícias sobre o Brasil e o mundo. Boa noite.

17:06 – Senador diz que Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade em discurso e ironiza: “Vocês avisam o Lira, por favor?”

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou, em seu perfil no Twitter, que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade ao dizer que “não mais cumprirá” decisões do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar do Cidadania fez menção ao inciso VIII do artigo 4º da Lei 1.079/1950, conhecida como “lei do impeachment”, segundo o qual configura crime de responsabilidade os atos presidente da República que atentem contra o cumprimento de decisões judiciais. “A lei 1079 define os crimes de responsabilidade do Presidente da República. No seu art 4º, VIII, fala exatamente do não cumprimento de decisões judiciais. A pena é perda do cargo (impeachment) e dos direitos políticos por até 5 anos. Vocês avisam o Lira, por favor?”, escreveu. Cabe privativamente ao presidente da Câmara dos Deputados deliberar sobre a tramitação de um pedido de destituição.

17:00 – Manifestação na Paulista reuniu 125 mil pessoas, diz governo paulista 

Segundo estimativa divulgada há pouco pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), a manifestação bolsonarista reuniu 125 mil pessoas na Avenida Paulista. Ainda segundo o governo paulista, o ato contrário ao governo do presidente Jair Bolsonaro reuniu 15 mil no Vale do Anhangabaú.

16:54 – PM de São Paulo orienta embarque pela estação Paraíso 

Enquanto os manifestantes começam a se dispersar, a Polícia Militar de São Paulo afirma que o melhor local para embarcar na Avenida Paulista, neste momento, é a Estação Paraíso. “Utilidade pública: informações do Metrô SP – melhor estação para embarque na região da Av Paulista, no momento, é a Estação Paraíso”, diz a curta nota divulgada pela corporação. A estação Trianon-Masp deve ficar fechada até às 20h.

16:46 – Vice da Câmara provoca Bolsonaro: ‘Vamos voltar ao que interessa, presidente: o que o senhor tem a dizer sobre 14,8 milhões de desempregados?’

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), se manifestou no Twitter após o discurso de Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo. “Pronto. Já teve o show, agora vamos voltar para o que interessa. Presidente, o que o senhor tem a dizer sobre 14,8 milhões de desempregados, 19 milhões com fome, gás acima de 100 reais, gasolina acima de 7, juros de dois dígitos e PIBinho?”, escreveu o parlamentar. Aos apoiadores,  o presidente da República fez ataques ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, a quem chamou de “canalha”. O mandatário do país também destacou que não irá cumprir decisões judiciais do magistrado e acrescentou que ele deve se “enquadrar” ou “pedir para sair”.

16:22 – Em discurso, Bolsonaro prometeu determinar que ‘todos os presos políticos sejam postos em liberdade’

Na esteira dos ataques feitos ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro prometeu determinar a soltura de todos os “presos políticos”, se referindo a aliados, como o ex-deputado federal e presidente nacional do PTB Roberto Jefferson, que foram presos no âmbito de inquéritos abertos no STF e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os presentes responderam aos gritos de “liberdade”.

16:10 – Bolsonaro finaliza discurso 

A fala de Bolsonaro a apoiadores na Avenida Paulista durou aproximadamente 20 minutos. Neste momento, o presidente da República já está em deslocamento para o Hotel de Trânsito de Oficiais do Exército, em São Paulo. De lá, o chefe do Executivo deve ir para o Aeroporto de Congonhas, antes de retornar para Brasília.

16:08 – ‘Quero dizer aos canalhas: eu nunca serei preso’, diz Bolsonaro 

Na parte final de seu discurso, bastante inflamado, o presidente Jair Bolsonaro repetiu que tem três opções para o seu futuro: ser preso, ser morto ou vencer as eleições de 2022. Aos apoiadores, que se concentram na altura do MASP, na Avenida Paulista, o chefe do Executivo federal disse que “só Deus” o tira da Presidência da República. “Nesse momento, eu quero mais uma vez agradecer a todos vocês. Agradecer a Deus, pela minha vida e pela missão, e dizer aqueles que querem me tornar inelegível em Brasilia que só Deus me tira de lá”, afirmou, finalizando: “Quero dizer aos canalhas: eu nunca serei preso”. Em outro trecho de sua fala, que durou aproximadamente 20 minutos, Bolsonaro afirmou que “não vamos mais admitir que pessoas como Alexandre de Moraes continue a açoitar a nossa democracia e desrespeitar a nossa Constituição. Ele teve todas as oportunidades para agir com respeito a todos nós, mas não agiu e continua não agindo”.

16:00 – Bolsonaro critica Barroso e pede voto impresso

O presidente Jair Bolsonaro também atacou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luis Roberto Barroso, e voltou a pedir o voto impresso, já sepultado no Congresso. “Nós queremos uma eleição limpa, democrática, com voto auditável e com contagem pública dos votos. Não podemos ter eleições que pairem dúvidas sobre os eleitores. Não posso participar de uma farsa como essa, patrocinada pelo presidente do TSE. Hoje temos uma fotografia para mostrar para o Brasil e para o mundo”, disse.

15:57 – Bolsonaro sobe o tom e ataca Moraes: ‘Sai, Alexandre de Moraes, deixa de ser canalha’

Bolsonaro subiu o tom em seu discurso e fez ataques nominais ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, a quem chamou de “canalha”. “Ele [Moraes] tem tempo ainda para se redimir. Tem tempo ainda de arquivar seus inquéritos. Sai, Alexandre de Moraes, deixa de ser canalha. Deixe de oprimir o povo brasileiro, deixe de censurar o seu povo”, afirmou. O presidente da República voltou a dizer que o magistrado do STF tem que ser “enquadrado”. “Ou se enquadra ou pede para sair”, disparou.

15:46 – ‘Pior do que o vírus foram as ações de alguns governadores e prefeitos’, diz Bolsonaro 

No início de seu discurso na Avenida Paulista, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “pior do que o vírus [coronavírus] foram as ações de alguns governadores e prefeitos”. Para o chefe do Executivo federal, os gestores municipais e estaduais “ignoraram a Constituição”, “tolheram a liberdade de expressão, o direito de ir e vir, o direito de trabalhar e de frequentar os templos religiosos para suas orações”. Os bolsonaristas presentes reagiram aos gritos de “fora Doria”, em alusão ao governador do Estado de São Paulo, adversário político do mandatário do país.

15:41 – Pronunciamento de Bolsonaro deve começar em instantes 

O presidente Jair Bolsonaro já está no carro de som localizado próximo ao Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP). Ele começará a discursar em breve.

15:34 – Câmeras operacionais portáteis auxiliam PM de São Paulo em monitoramento dos atos

O esquema de segurança montado pela Polícia Militar de São Paulo inclui as chamadas câmeras operacionais portáteis (COPs) do sistema Olho Vivo. As imagens do patrulhamento são enviadas para a Sala de Comando e Controle. Ainda segundo a corporação, há efetivo policial em todas as estações de metrô. Nas ruas, os agentes fazem a revista de bolsas e mochilas dos manifestantes. No total, são quatro mil policiais militares, 1.400 viaturas, 100 cavalos, 20 cães, três helicópteros, seis drones e seis veículos Guardiões do Comando de Choque.

15:20 – Rodrigo Maia: ‘Está na hora do comando do Congresso enquadrar o Bolsonaro’

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (sem partido-RJ) foi ao Twitter comentar a declaração do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou, em pronunciamento na Esplanada dos Ministérios, que “quem age fora da Constituição deve ser enquadrado”. “Está na hora do comando do Congresso enquadrar o Bolsonaro”, escreveu o parlamentar. Enquanto esteve no comando da Câmara, Maia foi insistentemente cobrado, mas não colocou em tramitação um pedido de impeachment do mandatário do país.

15:10 – Doria se posiciona a favor do impeachment de Bolsonaro pela primeira vez

Em coletiva de imprensa do Comitê de Política Monetária (Copom), nesta terça-feira, 7, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se manifestou pela primeira vez a favor do impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Mais cedo, o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, convocou para esta quarta-feira, 8, uma reunião da executiva nacional da sigla para discutir os desdobramentos dos atos deste 7 de setembro. “Eu não faço parte da executiva nacional do PSDB, então não me cabe participar desta reunião. Mas já me manifestei e reproduzo aqui a minha posição. O PSDB, o partido pelo qual eu fui eleito pelo governador de São Paulo, o Estado mais imensamente habitado e maior força econômica do país, deve se posicionar pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. O PSDB deve preservar como um partido de oposição ao presidente”, disse o tucano. Leia a reportagem completa da Jovem Pan.

14:50 – Por que Fux não deve comparecer à reunião do Conselho da República 

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que se reuniria com os chefes dos Poderes nesta quarta-feira, 8, para um encontro do Conselho da República. Ocorre que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, sequer integra o colegiado, formado por 14 membros: o vice-presidente da República, os presidentes da Câmara, do Senado, os líderes da Maioria e da Minoria das duas Casas, o ministro da Justiça e Segurança Pública e seis cidadãos brasileiros natos, duas nomeadas pelo presidente da República, dois eleitos pelos senadores e dois pelos deputados. Como a Jovem Pan mostrou, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não foram convidados até este momento.

14:33 – Relator da CPI da Covid-19 diz que atos bolsonaristas foram um ‘fiasco’

O relator da CPI da Covid-19, Renan Calheiros (MDB-AL), chamou a manifestação pró-Bolsonaro em Brasília de “fiasco”. “Depois do fiasco, Bolsonaro recorre a bravatas golpistas contra as instituições. Perdeu e seguirá sendo enquadrado pela democracia implantada com muitas dores, perdas e sangue. O fascismo não triunfará”, declarou o senador.

14:31 – Manifestantes começam a dispersar no Rio de Janeiro

Na praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio, manifestantes pró-governo começam a dispersar. Segundo informações do repórter Rodrigo Viga, da Jovem Pan, a manifestação foi pacífica, com um homem detido pela manhã e um outro agora à tarde. Fontes da reportagem na Prefeitura do Rio de Janeiro contabilizam, por meio de câmeras de monitoramento, que pelo menos 300 mil pessoas estiveram na orla da praia nesta manhã de terça-feira, 7.

14:25 – Deputada ironiza presença de Queiroz em protestos pró-governo: ‘Rachadinha fest’

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) foi às redes sociais ironizar a presença do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) Fabrício Queiroz nas manifestações bolsonaristas que ocorrem nesta terça-feira, 7. Em uma publicação feita em seu perfil no Twitter, a parlamentar, que se tornou um desafeto político do governo federal, afirmou que os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro “pedem pelos réus Roberto Jefferson e Queiroz”. “Rachadinha FEST. Este é o bolsonarismo na sua essência”, escreveu Hasselmann.

13:51 – Randolfe e Omar Aziz pedem para ser convocados pelo Senado para Conselho da República

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) informou que ele e o senador Omar Aziz conversaram com os líderes partidários para que os dois sejam os nomes convocados pelo Senado para participar da reunião do Conselho da República, convocado pelo presidente Bolsonaro. Os parlamentares são vice-presidente e presidente da CPI da Covid-19, respectivamente.

13:40 – Líder da minoria no Senado pede renúncia de Bolsonaro

O líder da minoria no Senado, Jean (PT-RN), afirmou que  também não foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para a reunião do Conselho da República. “Bolsonaro anunciou que pretende ser reunir com o Conselho da República. Não adiantou a pauta, nem convidou formalmente os integrantes. Como Líder da Minoria no Senado tenho assento no Conselho. Desconfio de um presidente que nunca prezou pela debate quando se propõe a reunir o Conselho da República. Minha posição é de defesa vigorosa da democracia e contrária a atos como os que estamos assistindo hoje,que só contribuem para a erosão de nossa sociedade”, escreveu. Em seguida, o senador pediu a renúncia do presidente. “O Conselho é um órgão de assessoramento da Presidência da República. Bolsonaro pode ou não seguir suas orientações. A minha seria: Renuncie, Presidente.”

13:36 – Helicóptero com Bolsonaro sobrevoa Avenida Paulista

O helicóptero com o presidente Jair Bolsonaro acaba de sobrevoar a Avenida Paulista, local onde os manifestantes pró-governo estão concentrados. O chefe do Executivo pousou perto do Ibirapuera.

13:30 – Atos contra e pró-Bolsonaro acontecem em Belo Horizonte

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro começaram a se reunir por volta das 8 horas da manhã no Estado do Mineirão, em Belo Horizonte. A carreata de saiu em direção à Praça da Liberdade por volta das 10h e, segundo o repórter Davidson Ferreira, da Jovem Pan, ainda não chegou completamente ao local, atrapalhando o trânsito da cidade. A Polícia Militar ainda não divulgou o número oficial, mas organizadores afirmam que protesto reuniu cerca de 70 mil pessoas. O ato contra o presidente começou por volta das 10 horas na Praça Afonso Arinos. O “Grito dos Excluídos” passou pela Praça dos Setes e seguiu em direção à Praça da Estação. Não há número oficial de participantes

13:28 – Arthur Lira não recebeu convite para participar de reunião do Conselho da República

Segundo informações da comentarista Amanda Klein, da Jovem Pan, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), também não recebeu o convite formal para participar da reunião do Conselho da República, nesta quarta-feira, 8. Em discurso a apoiadores na Esplanada dos Ministérios na manhã de hoje, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que iria se reunir com o colegiado para mostrar aos chefes dos Poderes “uma fotografia” para dizer “para onde nós todos devemos ir”.

13:24 – Participação de Bolsonaro em ato de violência contra o Congresso ou o STF ‘tornará inevitável a abertura do processo de impeachment’, diz vice-presidente da Câmara

Em uma publicação em seu perfil no Twitter, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), disse não ter dúvidas “de que qualquer ato de violência contra o Congresso ou o STF em ato que teve a participação do Presidente da República tornará inevitável a abertura do processo de impeachment”.

13:20 – Atos contra Bolsonaro no Anhangabaú começam a ganhar fôlego

Segundo informações da repórter Camilla Yunes, da Jovem Pan, grupos de manifestantes que protestam contra o governo Bolsonaro iniciaram as concertações no Vale do Anhangabaú. Movimentos sociais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), estão distribuindo blusas e bonés aos presentes. Os manifestantes reclamam do alto preço da gasolina, dos alimentos e pedem também o impeachment do presidente da República. O ato está marcado para começar oficialmente às 14h.

13:17 – Senadores reagem ao discurso de Bolsonaro: ‘O impeachment é seu destino’, diz Alessandro Vieira 

Os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) reagiram ao discurso feito pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 7, na Esplanada dos Ministérios. “Não é preciso aguardar o fim do dia para apontar que Bolsonaro é um criminoso golpista, que manipula a massa para esconder rachadinhas, centrão, mansões suspeitas e a incompetência que jogou o Brasil em uma crise sanitária, econômica e social gigante. O impeachment é seu destino”, escreveu Vieira. “Temos ódio e nojo à ditadura! Traidor da Constituição é traidor da pátria! O nosso povo precisa de comida, vacina, emprego, paz. Precisa conseguir pagar a energia e o gás de cozinha. Esses que estão aí logo sairão. A violência não é nem nunca será a bandeira do povo brasileiro”, afirmou Rodrigues em seu perfil no Twitter.

13:11 – Discurso de Bolsonaro pode inviabilizar solução para precatórios 

O discurso do presidente Jair Bolsonaro contra o Supremo Tribunal Federal pode inviabilizar o acordo que vem sendo costurado há semanas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com as cúpulas do Legislativo e do Judiciário, a fim de reduzir o valor dos precatórios do ano que vem de R$ 90 bilhões para R$ 40 bilhões. A redução abriria espaço fiscal para que o governo turbine o Auxílio Brasil, novo nome do programa Bolsa Família, uma das apostas do Executivo para alavancar a popularidade do chefe do Executivo federal. Leia a reportagem completa da Jovem Pan.

13:06 – Bolsonaro não convidou Pacheco para reunião do Conselho da República 

Apesar do presidente Jair Bolsonaro ter afirmado que irá se reunir com o Conselho da República nesta quarta-feira, 8, os chefes dos Poderes não foram formalmente convidados. Procurado pela Jovem Pan, a assessoria de imprensa do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que “não chegou nada oficial” ao parlamentar do DEM.

(Com informações da repórter Júlia Vieira)

13:01 – Membro do Conselho da República, Freixo diz que não participará de eventual reunião convocada por Bolsonaro 

Em seu discurso na Esplanada dos Ministérios, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que convocaria uma reunião do Conselho da República para mostrar aos chefes dos Poderes “uma fotografia” para dizer “para onde nós todos devemos ir”. Membro do colegiado, o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ), líder da Minoria na Câmara dos Deputados, afirmou que não participará da eventual reunião, que ainda não foi convocada. “Esse conselho nunca se reuniu no governo Bolsonaro e não será sob chantagem de um presidente que participa de um ato que ameaça ministros, que ameaça intervenção militar e que ameaça o fechamento de Congresso que o Conselho da República tem que se reunir. Afirmo que categoricamente que não participarei. Estarei em Brasília mas não participarei sob ameaça de um presidente que, mais uma vez, insinua o desejo de um golpe sobre a nossa democracia”. O Conselho é formado por 14 membros: o vice-presidente da República, os presidentes da Câmara, do Senado, os líderes da Maioria e da Minoria das duas Casas, o ministro da Justiça e Segurança Pública e seis cidadãos brasileiros natos, duas nomeadas pelo presidente da República, dois eleitos pelos senadores e dois pelos deputados.

12:51 – Manifestação em Brasília reuniu cerca de 100 mil pessoas

Segundo informações do repórter Antonio Maldonado, da Jovem Pan, a manifestação bolsonarista em Brasília reuniu entre 100 mil e 150 mil pessoas. O presidente Jair Bolsonaro discursou para apoiadores na Esplanada dos Ministérios, voltou a atacar o Supremo Tribunal Federal (STF) e afirmou que uma pessoa na Corte “perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal”. A dispersão dos presentes começou a ocorrer por volta das 12h. 

12:47 – Esquema de segurança da PM de São Paulo conta com 4 mil policias

Em razão da manifestação convocada pelo presidente Jair Bolsonaro para a Avenida São Paulo, em São Paulo, a Polícia Militar de São Paulo montou um esquema de segurança que conta com quatro mil policiais militares, 1.400 viaturas, 100 cavalos, 20 cães, três helicópteros, seis drones e seis veículos Guardiões do Comando de Choque. A concentração ocorre na região desde o início da manhã, mas deve ser mais expressiva no período da tarde. Bolsonaro deve discursar aos apoiadores por volta das 16h.

12:44 – São Paulo fecha estação do Metrô, altera 33 linhas de ônibus e bloqueia 45 vias

Com o aumento da concentração de pessoas em São Paulo para os atos pró-governo, o metrô de São Paulo fechou a estação Trianon-Masp, na Linha Verde, que dá acesso à avenida Paulista. A estimativa é que estação seja reaberta a partir das 20h. A SPTrans também alterou linhas de 33 ônibus na capital paulista nesta terça-feira, 7, em função das manifestações e a polícia interditou 21 pontos de bloqueio total da cidade e 24 locais têm bloqueio parcial, onde o acesso é restrito a veículos de passeio.

12:38 – Pivô da investigação sobre o esquema das rachadinhas, Queiroz vai às ruas em apoio a Bolsonaro 

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro na época em que o filho Zero Um do presidente Jair Bolsonaro era deputado federal, Fabrício Queiroz foi às ruas em apoio ao mandatário do país e divulgou uma foto em seu perfil no Instagram. O ex-policial militar, que chegou a ser preso no sítio do advogado Frederick Wassef, que representa a família presidencial, é peça central na investigação sobre o suposto esquema das rachadinhas que ocorria no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Reprodução/Instagram/@queqq3

12:33 – Flávio Bolsonaro minimiza tom do discurso do pai e diz: ‘Não tem absolutamente nada a ver com ataque a STF ou Congresso’

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), minimizou o tom do discurso de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, e afirmou que o discurso “não tem absolutamente nada a ver com ataque a STF ou Congresso”. “Que o pedido de Jair Bolsonaro por respeito à Constituição Federal ecoe nos três Poderes. Que os 10 [ministros] do STF possam resolver internamente o único desestabilizador da democracia no momento”. Na contramão do que disse seu filho, o chefe do Executivo federal disse mais cedo que havia uma pessoa dentro da Suprema Corte que “perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal”. “Nós também não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos três Poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse Poder [ministro Luix Fux] enquadra o seu, ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos”, acrescentou. 

12:30 – Mourão: ‘Sigamos em frente, honrando o legado de liberdade e respeitando nosso povo’

Em uma publicação em seu perfil no Twitter, o vice-presidente Hamilton Mourão também se manifestou sobre o dia 7 de setembro. “Em 7 de Setembro de 1822, o Brasil declarou sua Independência e cresce a cada dia, cuidando do seu bem maior: o brasileiro. Somos um país jovem e uma democracia plena, fruto das lutas dos nossos antepassados. Sigamos em frente, honrando o legado de liberdade e respeitando nosso povo”, escreveu o general.

12:25 – Alexandre de Moraes comemora 7 de setembro: ‘Garantiu nossa liberdade’

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), publicou nas redes sociais uma mensagem em comemoração ao 7 de setembro, data do 199º aniversário da Independência do Brasil. “Nesse sete de setembro, comemoramos nossa Independência, que garantiu nossa Liberdade e que somente se fortalece com absoluto respeito a Democracia”, escreveu no Twitter. O ministro é alvo de críticas e protestos, nesta terça-feira, por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que pedem seu afastamento da Suprema Corte.

12:20 – Presidente nacional do PSDB convoca reunião extraordinária para debater impeachment de Bolsonaro 

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, convocou uma reunião extraordinária da Executiva Nacional da sigla para discutir a posição do partido sobre a abertura de impeachment e “eventuais medidas legais” contra o presidente Jair Bolsonaro. “O Presidente do PSDB, Bruno Araújo, convoca reunião Extraordinária da Executiva para esta quarta-feira, para diante das gravíssimas declarações do presidente da República no dia de hoje, discutir a posição do partido sobre abertura de de Impeachment e eventuais medidas legais”, diz a publicação feita no perfil oficial da legenda no Twitter.

11:43 – Bolsonaro diz que mostrará aos chefes dos Poderes ‘uma fotografia’ para dizer ‘para onde nós todos devemos ir’ 

Ainda em seu discurso na Esplanada, transmitido em seu perfil no Facebook, o presidente Jair Bolsonaro disse que nesta quarta-feira, 8, participará de uma reunião do Conselho da República para mostrar aos presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal “uma fotografia” que indica “para onde nós todos devemos”. “Peço que me ouçam por volta das 16h na Avenida Paulista. Como chefe do Executivo, seria mais fácil ficar em casa mas como sempre disse ao longo da minha vida política, estarei onde o povo estiver. Vou a São Paulo e retorno. Amanhã estarei no Conselho da República, juntamente com ministros, para nós, juntamente com os presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal, com esta fotografia de vocês, mostrar para onde nós todos devemos ir”, afirmou. Leia a reportagem completa da Jovem Pan.

11:38 – Em discurso em Brasília, Bolsonaro ameaça STF: ‘Pode sofrer aquilo que nós não queremos’

Em um discurso para apoiadores na Esplanada dos Ministérios, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou o Supremo Tribunal Federal e fez ataques ao ministro Alexandre de Moraes. “Nós não mais aceitaremos que qualquer autoridade, usando a força do Poder, passe por cima da nossa Constituição. Não mais aceitaremos qualquer medida, qualquer ação que venha de fora das quatro linhas da Constituição. Nós também não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos três Poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse Poder [ministro Luix Fux] enquadra o seu, ou esse Poder pode sofrer aquilo que nós não queremos. Porque nós valorizamos, reconhecemos e sabemos o valor de cada Poder da República. Nós todos, aqui na praça dos três Poderes, juramos respeitar a nossa Constituição. Quem age fora dela se enquadra ou pede pra sair. Uma pessoa do Supremo Tribunal Federal perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal. Nós todos aqui, sem exceção, somos aqueles, que dirão para onde o Brasil deverá ir”, disse. Os manifestantes presentes reagiram aos gritos de “eu autorizo” e “fora, Alexandre”.


11h30 – Em 400 ônibus, vinte mil pessoas viagem de Santa Catarina para atos em São Paulo

Mesmo com as manifestações previstas para Florianópolis, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro viajam da da cidade catarinense para participar dos atos que acontecem na capital paulista nesta terça-feira, com previsão de ser um dos maiores do país. Ao todo, 400 ônibus saíram de Santa Catarina levando 20 mil manifestantes para São Paulo, que também recebe caravanas de outros Estados e municípios brasileiros.


11h12 – Atos em Natal pedem impeachment de ministros e voto impresso auditável

Em Natal, capital do Rio Grande do Norte, os protestos deste terça-feira, 7, além de declararem apoio ao presidente Jair Bolsonaro, pedem o impeachment dos ministros Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), e a implantação do voto impresso auditável, derrotada na Câmara dos Deputados no último mês. Segundo informações da Jovem Pan News Natal, a expectativa é que cerca de 20 mil pessoas participem das manifestações, incluindo moradores de cidades do interior do Estado.


11h00 – Manifestantes fazem carreata pró-Bolsonaro em Belo Horizonte

A capital mineira também está sendo palco de atos favoráveis ao presidente da República. Em Belo Horizonte, a concentração do ato começou por volta das 9h no Mineirão, na região da Pampulha e segue em carreata. Imagens do helicóptero da Jovem Pan News BH mostram centenas de veículos passando pela pelo bairro Caiçara, rumo ao centro da cidade. O itinerário previsto inclui Av. Pedro ll, Viaduto D. Helena Greco, Av. Bias Fortes e Praça da Liberdade.


10h45 – Presidente Jair Bolsonaro discursa a manifestantes em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro fez um discurso para os seus apoiadores, em Brasília, após solenidade pelo 7 de setembro. Durante sua fala, o mandatário defendeu as instituições, disse que vai “atuar dentro das quatro linhas da Constituição” e pediu que o Supremo Tribunal Federal (STF) respeite também a vontade do povo que, segundo ele, “é soberana”.


10h22 – Rio de Janeiro tem atos simultâneos contra e a favor de Bolsonaro 

No Rio de Janeiro, os atos estão marcados para começar a partir das 10h. Na praia de Copacabana, cartão postal da cidade fluminense, moradores participam da manifestação usando as cores verde e amarelo, sendo que a maioria deles não usa máscara de proteção contra a Covid-19. Carros e caminhões com equipamentos de som estão no local.
O Rio também recebe o “Grito dos Excluídos” nesta terça-feira. O movimento contra o presidente Bolsonaro tem concentração na rua Uruguaia, no centro da cidade, e acontece de forma pacífica. Entre os manifestantes estão profissionais da saúde, que citam atraso na vacinação e o avanço da variante Delta como resultados das negligências do governo federal.


9h50 – Ao lado de Collor, Bolsonaro acompanha hasteamento da bandeira em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro participou da solenidade de hasteamento da bandeira, emBrasília, no Palácio da Alvorada. O evento teve participação dos ministros Paulo Guedes, General Heleno, Damares Alves e Onyx Lorenzoni, além do ex-presidenteFernando Collor de Mello. A solenidade teve exposição de blindados desfile presidencial no Rolls Royce, salto de três paraquedistas e salva de 21 tiros de canhão. Apoiadores do governo acompanharam o evento. A expectativa é que Bolsonaro participe das manifestações em Brasília e em São Paulo.


9h – Manifestantes iniciam concentração em São Paulo; avenida Paulista é fechada

Grupos de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro iniciaram as concentrações na capital paulista na manhã desta terça-feira, 7, em diversos pontos da Avenida Paulista, sendo que os maiores aglomerados estão em frente ao prédio da FIESP e do Museu de Arte de São Paulo (MASP). Ônibus de cidades do interior também começam a chegar na região central do município. A previsão é que a manifestação em São Paulo comece a partir das 14 horas, a grande expectativa é que o presidente Jair Bolsonaro participe do ato com discurso direcionado aos apoiadores.