Bolsonaro descarta sugestão de Temer e diz que não vai revogar decreto

Ex-presidente emitiu uma nota onde aconselha o atual mandatário a revogar o decreto que cede perdão a Daniel Silveira e que “aguarde a conclusão do julgamento’ no Supremo Tribunal Federal (STF)

  • Por Jovem Pan
  • 22/04/2022 20h10
WALLACE MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Presidente da república, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto Presidente Jair Bolsonaro afirmou que precisa passar metade do seu tempo se defendendo de "interferências" do poder Judiciário

O ex-presidente Michel Temer (MDB) emitiu uma nota nesta sexta-feira, 22, e sugeriu ao presidente Jair Bolsonaro (PL) a revogar o indulto dado ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) após a sua condenação no Supremo Tribunal Federal (STF). O emedebista ressalta que o caso “ainda não transitou em julgado” e que, “o ideal, para evitar uma crise institucional entre os poderes”, seria um recúo de Bolsonaro até que o julgamento do processo seja concluído. “Somente depois disso, o Presidente poderá, de acordo com a Constituição Federal, eventualmente, utilizar-se do instrumento da graça ou do indulto”, alega Temer, que pediu tempo para que os Poderes possam dialogar e estabelecer um ambiente de tranquilidade na sociedade.

Em resposta, Bolsonaro utilizou as suas redes sociais para responder ao ex-vice de Dilma Rousseff e negar a sugestão. “Não”, publicou Jair em seu Twitter. O indulto cedido a Daniel Silveira – condenado por atos antidemocráticos e ameaças a ministros da Corte – já foi motivo de ação impetrada no STF pela Rede Sustentabilidade. O partido pede uma liminar que suspenda os efeitos do decreto presidencial enquanto o plenário da Corte não vote a legalidade do ato. Após sorteio, a ministra Rosa Weber foi a escolhida para ser a relatora do pedido realizado pela oposição.