Bolsonaro elogia ação do Bope em operação na Vila Cruzeiro

Presidente parabenizou a ação que teve o envolvimento das polícias Federal, Rodoviária Federal e Militar do Rio de Janeiro

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2022 14h43
Alan Santos/PR - 24/05/2022 Jair Bolsonaro Presidente Jair Bolsonaro participará da Cúpula das Américas, evento que ocorrerá na próxima semana em território norte-americano

O presidente Jair Bolsonaro (PL) utilizou as suas redes sociais na noite da última terça-feira, 24, para parabenizar a operação policial que ocorreu na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro. Em uma série de publicações, o mandatário afirmou que as ações integradas do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e da Polícia Militar “neutralizaram pelo menos 20 marginais ligados ao narcotráfico”. As polícias Federal e Rodoviária Federal também atuaram e, até a publicação desta reportagem, 25 pessoas foram mortas em decorrência da operação.

O chefe do Executivo ressaltou que a operação foi planejada há meses e que os agentes de segurança realizavam o monitoramento dos “chefões do tráfico” para prendê-los fora da comunidade. Jair argumentou que as polícias precisaram utilizar do “uso da força” para conter os ataques sofridos pelas facções. “Para se ter ideia do grau de violência dos bandidos, parte dos alvos da operação foram responsáveis pelo assassinato de 13 agentes de segurança pública somente em 2022”, alegou o presidente, que celebrou a apreensão de 30 veículos roubados, 13 fuzis, 12 granadas e quatro pistolas. Bolsonaro ainda lamentou a morte de uma vítima inocente durante a ação das polícias.

Entenda

A operação na Vila Cruzeiro foi realizada na última terça-feira, 24, para combater o tráfico de drogas na região. Segundo informações apuradas pela Jovem Pan, um total de 28 pessoas foram encaminhadas ao Hospital Estadual Getúlio Vargas e, até o momento, foram 25 óbitos. Uma mulher de 41 anos, inocente, foi atingida por uma bala perdida e não resistiu. Os agente de segurança entraram no local por volta das 4h da manhã e, após a entrada dos policiais na região, um intenso confronto foi registrado. Escolas foram fechadas em decorrência dos tiros na maios chacina do ano no Estado do Rio de Janeiro.