Bruno Covas participa de quatro eventos com evangélicos

As pesquisas de intenção de voto indicam que o tucano, que facilitou a regularização de alvarás das igrejas, possui a preferência entre os religiosos

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2020 21h54
Mister Shadow/Estadão ConteúdoBruno Covas negou que Lei de Anistia Imobiliária tenha mirado o apoio dos evangélicos

Neste domingo, 22, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) participou de quatro eventos com evangélicos. Segundo pesquisas de intenção de voto do Ibope, o candidato à reeleição possui uma preferência maior entre os religiosos do que seu adversário, Guilherme Boulos (PSOL). O tucano, que recebeu o apoio de líderes neopentecostais por manter templos abertos durante a pandemia do novo coronavírus e facilitar a regularização de alvarás das igrejas, é o preferido de 25% desse segmento. Boulos, por sua vez, tem o apoio de 14% dos evangélicos. No segmento religioso, este é o grupo com maior possibilidade de mudar de voto: 27% afirmam que não estão totalmente decididos e podem mudar de ideia até o dia da votação. Pela manhã, Covas participou de uma reunião com jovens da Assembleia de Deus e de uma convenção da mesma igreja. Por volta do 12h20, foi a um culto da Igreja Mundial do Poder de Deus, onde ficou pouco mais de cinco minutos no palco com o apóstolo Valdemiro Santiago, de quem recebeu uma bênção. À noite, ele ainda participou de outro culto da Igreja Mundial.

Fazendo referência à Lei de Anistia Imobiliária que há um ano permitiu que templos religiosos fizessem a regularização sem pagar taxa, o apóstolo Valdemiro Santiago afirmou: “Eu chorei lágrimas de sangue aqui nessa igreja, e quando esse homem (Covas) entrou lá (na Prefeitura), uma das prioridades dele foi conceder o alvará dessa obra”. Mais tarde, o religioso negou que estivesse pedindo votos aos fiéis. Covas, por sua vez, negou que a regularização de imóveis tenha mirado o apoio de religiosos. Segundo ele, vários setores foram atingidos pela medida. “A Lei de Anistia de Edificações já regularizou mais de 200 mil imóveis, templos e também locais de comércio, residências. Beneficiou a todos de forma igual, portanto não é uma ação específica para essa ou aquela igreja”, afirmou.

*Com informações do Estadão Conteúdo