Doria pede reforço policial após protesto em frente à sua casa e irrita manifestantes

Governador chamou de ‘bolsonaristas loucos’ quem foi ao Jardim Europa para reclamar das medidas restritivas em São Paulo; ‘Aqui também tem gente que não gosta do Bolsonaro’, retrucou deputado

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2021 21h18 - Atualizado em 08/03/2021 01h16
Reprodução/YouTubeO deputado estadual Gil Diniz (à esq.) participa de protesto em frente à casa de João Doria, na zona sul de São Paulo

Centenas de pessoas protestaram em frente à casa do governador João Doria (PSDB) contra a regressão do Estado de São Paulo à fase vermelha do Plano SP de controle da pandemia. Desde a última sexta-feira, somente serviços essenciais podem funcionar em território paulista. Além disso, há restrição de circulação entre 8h e 5h. Em sua conta no Twitter, o tucano chamou de “bolsonaristas” quem protestava contra as medidas mais rígidas implementadas pelo governo paulista. “Bolsonaristas loucos tentam me intimidar com novas ameaças contra mim e minha família. Agora ameaçam minha casa e nossa família. Além de pedir apoio policial e tomar medidas legais, quero registrar meu repúdio a este comportamento. Onde vai parar o Brasil com tanta conflagração?”, reclamou Doria.

Os manifestantes chamaram Doria de “ditador” e “mentiroso” e reclamaram do fato de ele chamar as forças de segurança do Estado para reprimir o protesto. Também foram entoados gritos de ordem como “queremos trabalhar”. O deputado estadual Gil Diniz (sem partido), conhecido como Carteiro Reaça, participou da manifestação e gravou um vídeo cobrando uma resposta do governador às reclamações dos revoltados. “Tem no mínimo 250 policiais. A casa do governador está altamente protegida. Eu diria que hoje é casa a mais protegida do país. Toma vergonha nessa cara. Vem aqui colocar dedo em riste na cara da população. Não tem só bolsonarista, não. Tem gente aqui que nem gosta do Bolsonaro, mas te odeia por causa das medidas que você vem tomando para acabar com a população”, disse Diniz. Nas redes sociais, as pessoas que foram ao Jardim Europa (zona sul de São Paulo) marcar posição contra as restrições em São Paulo divulgaram vídeos.