Prefeito de Florianópolis é acusado de estupro por ex-servidora; Gean Loureiro nega

Em vídeo divulgado em suas redes sociais, o prefeito, candidato à reeleição na cidade, afirma que é vítima de uma ‘armação eleitoral’; ‘Estão tentando transformar em crime um ato consensual entre dois adultos’, diz

  • Por Jovem Pan
  • 29/10/2020 18h31
Reprodução/FacebookPrefeito afirma que é vítima de uma "armação eleitoral"

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), foi acusado de estupro por uma ex-servidora, candidata a vereadora pelo mesmo partido. Rosely Rosana Ferrari Dallabona procurou a polícia no dia 9 de outubro deste ano, um ano após o suposto crime relatado por ela, e registrou um boletim de ocorrência – os abusos, segundo a vítima, teriam ocorrido entre 2017 e 2019 . Loureiro, que é candidato à reeleição e lidera a corrida eleitoral – segundo pesquisa Ibope divulgada no dia 5 de outubro, ele possui 44% das intenções de voto, contra 15% de Angela Amin (PP), segunda colocada –, nega a acusação e diz que é vítima de uma “armação eleitoral”. Em um vídeo divulgado em suas redes sociais, o prefeito afirma que a relação foi consensual.

“É importante destacar algumas informações: 1. apesar de o boletim de ocorrência ser datado do dia 09 de outubro de 2020, o prefeito ainda não foi notificado ou tinha conhecimento do mesmo até surgir nas redes sociais. 2. O boletim narra uma denúncia de um suposto assédio há 1 ano, mas que só foi denunciado agora, no período eleitoral. Mais informações serão entregues aos responsáveis pela investigação quando da notificação do prefeito sobre o assunto, que neste momento, ao que tivemos conhecimento, está em segredo de justiça”, diz a nota enviada à Jovem Pan. Em seu perfil no Facebook, Loureiro afirma que ele e sua família foram surpreendidos “de uma forma rasteira e violenta com uma avalanche de mentiras”. O prefeito admite que teve um relacionamento extraconjugal, mas que é vítima de uma “armação eleitoral”. “Agora, a poucos dias da eleição, estão tentando transformar em crime um ato consensual entre dois adultos que aconteceu lá em 2019. Isso mostra que não há limite para baixeza e o jogo sujo da política”, diz.