Senadores assinam moção de apelo internacional por vacinas para o Brasil

Se aprovado pelo plenário do Senado, documento será encaminhado à OMS, aos países do G20, do OCDE e às empresas produtoras de imunizantes

  • Por André Siqueira
  • 22/03/2021 14h39 - Atualizado em 22/03/2021 16h33
Beto Barata/Agência SenadoAté o momento, 65 senadores assinaram a moção de apelo internacional

Senadores redigiram uma moção de apelo internacional chamando a atenção do mundo para a necessidade de o Brasil adquirir vacinas contra a Covid-19. Com o aumento exponencial no número de novos casos, de óbitos, e com o colapso das redes hospitalares em quase todos os Estados, o país se tornou o epicentro global da pandemia. A iniciativa coube à senadora Kátia Abreu (PP-GO), presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, e possui, até o momento, a assinatura de 65 parlamentares. O documento deve ser votado em plenário nesta terça-feira, 23, e, se aprovado, será encaminhado a todos os países membros do G20, organismos da Organização das Nações Unidas (ONU), especialmente a Organização Mundial da Saúde (OMS), países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), empresas produtoras de vacinas e embaixadores do Brasil no mundo.

No texto, os senadores afirmam que o ritmo da vacinação no Brasil é “insuficiente para conter a propagação” da Covid-19 e ressaltam que “deixar que o povo brasileiro continue a morrer sem vacinas significa uma agressão a todas as tradições humanas”. “É o oposto de tudo o que a civilização representa. Destrói os princípios de convivência humana. Impõe o medo e compromete a tranquilidade e segurança de todos os países”. “O Brasil se tornou o epicentro mundial da pandemia. Dados confirmados pela OMS mostram que superamos nesta semana a alarmante média móvel de 72 mil novos casos e mais de 2 mil óbitos por dia. O país reclama atenção emergencial do mundo. Nosso ritmo de imunização é insuficiente para conter a propagação da doença. Até o momento, menos de 5% dos 210 milhões de brasileiros foram vacinados. Dependemos de vacinas e insumos farmacêuticos ativos (IFA) importados, que chegam em ritmo lento, se comparado ao desafio posto pela segunda e devastadora onda da pandemia no Brasil. Nesta crise sanitária sem precedentes que atinge o mundo, barreiras fronteiriças não nos podem proteger da propagação do vírus e do surgimento de possíveis variantes. A única defesa é a cooperação internacional, com a vacinação urgente de nossa população”, diz um trecho da moção.

Nesta segunda-feira, 22, na reunião remota da Comissão Temporária da Covid-19, a senadora Kátia Abreu citou uma publicação da revista científica “Science Magazine”, segundo a qual 11 países compraram vacinas em número muito maior ao de habitantes, havendo, portanto, aproximadamente 3 bilhões de doses que provavelmente não serão utilizadas – uma parte desse montante poderia ser cedida para o Brasil, afirma a parlamentar. Como a Jovem Pan mostrou, iniciativa semelhante foi tomada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Na sexta-feira, 19, Pacheco pediu à vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, autorização para que o Brasil compre vacinas contra a Covid-19 estocadas pelos EUA e sem previsão de uso em solo americano.