Senadores intensificam articulação para a instalação da CPI da Covid-19

Líderes partidários esperam que presidente do Senado faça a leitura do requerimento nesta semana; ‘Se tornou inevitável’, disse Randolfe Rodrigues à Jovem Pan

  • Por André Siqueira
  • 01/03/2021 14h52
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 01/02/2021 Requerimento de abertura foi assinado por 31 senadores

Senadores de diversos partidos intensificaram, nos últimos dias, as conversas para pressionar o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que visa investigar a atuação do governo federal no combate à pandemia. Segundo relatos feitos à Jovem Pan, foi criado, inclusive, um grupo de WhatsApp para a organização de um plano de ação. Os parlamentares também pretendem levar o tema ao plenário nesta semana.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou o pedido de abertura da CPI no dia 4 de fevereiro. De lá para cá, o presidente Jair Bolsonaro criticou a adoção de medidas mais restritivas, pregou contra o uso de máscaras em uma de suas lives semanais e entrou em rota de colisão com governadores – também em sua live, o chefe do Executivo chegou a dizer que os governantes que adotassem o que chama de “política do fecha tudo e vai para casa” deveriam arcar com os custos do auxílio emergencial. “Em decorrência desses fatos, se tornou inevitável a instalação da CPI. Esperamos que a leitura do requerimento ocorra nesta semana. Estamos vivendo o momento mais dramático da pandemia no Brasil, há colapso em pelo menos 17 estados. Sobejam razões para a instalação da CPI”, disse Randolfe à Jovem Pan.

O presidente do Senado se comprometeu a instalar a comissão de acompanhamento das ações contra o coronavírus e, após 10 dias, fazer a leitura do requerimento de abertura da CPI – o prazo se encerra nesta semana. Na avaliação do senador Major Olimpio (PSL-SP), o governo pediu este prazo para “tentar fazer com que senadores retirassem suas assinaturas”. “Como isso não ocorreu, vejo que a instalação da CPI é cada vez mais provável, porque há todo esse enredo, todo esse negacionismo do presidente da República. Estamos vivendo um momento catastrófico. Nós sabemos como uma CPI começa, mas não sabemos como ela termina. Tomara que as apurações sejam consistentes”, afirmou à reportagem. “O senador Rodrigo Pacheco está conduzindo os processos com absoluta independência. O governo vai cair do cavalo se imagina que vai ter, na figura do presidente do Senado, um aliado que se faz de surdo, cego e mudo. Cada dia mais tenho visto justamente o contrário”, acrescentou.

No grupo de WhatsApp, os 31 senadores que assinaram o requerimento discutem propostas de ritos para o funcionamento da comissão e a realização de oitivas, por exemplo. “Cada um coloca suas experiências, o ânimo de fiscalização, o ânimo de ver instalada uma CPI dessa natureza. É um sinal de nosso comprometimento para que, assim que seja iniciada, ela tenha força para prosseguir, mesmo que de forma semipresencial. Teremos dificuldade de ter sessões presenciais”, explica Olimpio. “O grupo existe para que possamos fazer a CPI acontecer”, resumiu Randolfe.