Vice-presidente do PTB rebate Cristiane Brasil: ‘Se voltou contra o próprio partido’ 

Mais cedo, a filha de Roberto Jefferson disse à Jovem Pan que Graciela Nienov articula ‘um verdadeiro golpe’ para tomar a sigla ‘no tapetão’

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2021 19h09 - Atualizado em 25/10/2021 21h06
Reprodução/PTBGraciela Nienov, vice-presidente nacional do PTB, posa para foto com Jair Bolsonaro e Roberto Jefferson, presidente licenciado do partido

A vice-presidente nacional do PTB, Graciela Nienov, enviou à Jovem Pan uma nota rebatendo a declaração da ex-deputada federal Cristiane Brasil, filha do presidente do partido, Roberto Jefferson. A dirigente da legenda afirma que Brasil “se voltou contra seu próprio partido” e “lamentavelmente mancha a figura de seu pai por excessivo desejo de tomar o poder”. Em carta divulgada no domingo, 24, Jefferson pediu afastamento do comando da sigla por tempo indeterminado. O ex-deputado federal, condenado no escândalo do Mensalão, está internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do presídio Bangu 8, no Complexo de Gericinó, onde está preventivamente preso desde o dia 13 de agosto. A prisão de Jefferson foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu a um pedido da Polícia Federal (PF). Na decisão, o magistrado escreveu que o presidente da legenda faz parte de uma “organização criminosa” que busca “desestabilizar as instituições republicanas”.

Mais cedo, Cristiane Brasil disse à reportagem que Graciela Nienov exerce uma “catastrófica influência” em Jefferson e articula “um verdadeiro golpe” contra o comando da legenda. “O golpe a que se refere a ex-deputada Cristiane Brasil está sendo urdido pela própria, em aliança com o deputado estadual Antonio Albuquerque e alguns deputados do PTB, para destituir Roberto Jefferson da Presidência e levar ao comando do partido este pequeno grupo. O Presidente do partido se afastou da presidência por não ter condições de exercer seu cargo em plenitude devido às restrições impostas por sua atual condição, como ele mesmo explicou, em carta escrita do próprio punho e entregue à Direção do partido por seu advogado. A ex-deputada infelizmente se voltou contra seu próprio partido e lamentavelmente mancha a figura de seu pai por excessivo desejo de tomar o poder, ela sim, e seu grupo, no tapetão, em ações na Justiça que já foram rejeitadas pelo ministro Edson Fachin”, diz a íntegra da manifestação de Nienov.

“Venho por meio desta carta, pedir licença, por prazo indeterminado, enquanto durar essa minha prisão preventiva, da Presidência do Partido Trabalhista Brasileiro. Percebo a necessidade de uma presença mais próxima da gestão partidária, que por razões óbvias eu não tenho podido assumir. Essa semana dois contratos que precisavam ser assinados, eu não pude fazê-lo, pois a Administração Penitenciária não autorizou. Autoriza que eu assine procurações, mas contratos contrariam a norma interna da Secretaria Penitenciária. Assinar é falta grave. Nós precisamos agir com rapidez e cuidados. Desvelo e agilidade, o que minha atual condição impede, por isso me licencio. Tenho certeza que a Graciela Nienov está pronta para o pleno exercício da função, além de contar com o apoio de quase totalidade do diretório e maioria quase absoluta dos presidentes regionais, à exceção de Alagoas e Mato Grosso”, diz um trecho da carta de Jefferson.