Primeiro-ministro do Nepal é recebido com protestos durante visita a Katmandu

  • Por Agencia EFE
  • 30/04/2015 03h35

Katmandu, 30 abr (EFE).- A visita do primeiro-ministro do Nepal, Sushil Koirala, às regiões mais afetadas pelo terremoto em Katmandu, gerou uma série de manifestações de indignação e raiva da população, que critica a resposta do governo à tragédia.

Moradores de Basantapur, um dos locais mais destruídos da capital após o terremoto de magnitude 7,8 que devastou o país no último sábado, protestaram contra Koirala, que tentava avaliar os danos junto ao chefe do Exército, general Gaurav Rana, de acordo com o jornal local “Kantipur”.

Um grupo de pessoas, inclusive, rodeou o primeiro-ministro, exigindo ajuda e compensações para reconstruírem suas vidas, após o terremoto no qual, segundo o último balanço oficial, morreram quase 5.500 pessoas e deixando outras 11.000 feridas.

Koirala reconheceu na segunda-feira que as operações de busca, resgate e auxílio às vítimas não foram efetivas devido aos cortes das comunicações e a falta de preparação das equipes de emergência.

O Consórcio de Redução de Riscos do Nepal, uma entidade composta também por órgãos ligados às Nações Unidas, calcula que o terremoto gerou 2,8 milhões de deslocados internos, 10% dos 28 milhões de habitantes do Nepal.

Além disso, a organização afirma que em 39 dos 75 distritos do país os tremores destruíram 70 mil casas, danificando outras 530 mil edificações.

O terremoto de sábado foi o de maior magnitude registrado no Nepal em quase 80 anos, além de ter sido o pior que atingiu a região desde 2005, quando um tremor matou mais de 84 mil pessoas na Caxemira, na vizinha Índia. EFE