‘Apelar para a generosidade do Lula é uma piada’, diz Constantino sobre possível aliança com Ciro

Declaração foi dada pelo comentarista durante sua participação na edição do programa ‘3 em 1’ desta terça-feira, 6

  • Por Jovem Pan
  • 06/04/2021 17h59 - Atualizado em 06/04/2021 18h06
Ricardo Stuckert/DivulgaçãoEx-ministro pediu 'generosidade' ao ex-presidente nas eleições de 2022

Ex-ministro e candidato à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT) pediu que o ex-presidente Lula dê um passo para trás e tenha ‘generosidade’ nas eleições de 2022. Segundo o pedetista, Lula deve se inspirar em Cristina Kirchnner, ex-presidente da Argentina, que concorreu como vice em 2019 na chapa vencedora da eleição presidencial, encabeçada por Alberto Fernández. “A gente devia pedir generosidade a quem já teve oportunidade, como Lula, que é um grande líder da história brasileira. Mas a gente devia pedir a ele que se compenetrasse e não imitasse o exemplo desastrado do Maduro na Venezuela ou o exemplo desastrado do Evo Morales na Bolívia”, afirmou Ciro. A declaração do ex-candidato foi dada nesta segunda-feira, 5, durante um evento organizado pela Central dos Sindicatos Brasileiros sobre a proposta de reforma administrativa, que está sendo discutida no Congresso Nacional.

Durante sua participação na edição do programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta terça-feira, 6, o comentarista Rodrigo Constantino falou sobre o tema, dizendo que pedir generosidade ao petista “é uma piada” e afirmando que, dentro da extrema-esquerda, não são seguidos “princípios e valores”. “Pedir e apelar para a generosidade do Lula é uma piada. É óbvio que, na verdade, ninguém da extrema-esquerda espera generosidade de ninguém. Todos eles sabem que só tem oportunista com projeto de poder. Ninguém segue princípios e valores na extrema-esquerda e no socialismo. Isso é uma tentativa de convencer o Lula de que a Argentina é um bom caminho, é o purgatório para o paraíso dos socialistas que é a Venezuela”, afirmou Constantino, que continuou: “O Ciro está tentando convencer o Lula de que ele não aparecer na chapa como liderança diminui a rejeição, que foi o que a Cristina Kirchner fez na Argentina porque ela também estava mergulhada em problemas na justiça e contou também com apoios bastante supremos no seu país para poder se livrar da prisão. O Lula, quando estava preso, a família Ciro Gomes repetia que ‘o Lula tá preso, babaca’. Agora, o Lula não só tá solto como elegível, graças aos companheiros do Supremo. O Ciro Gomes perdeu espaço, é desespero.”

O comentarista também comentou a comparação feita por Ciro entre a situação de Lula com a de Cristina Kirchnner, questionando o que a Argentina tem para oferecer como exemplo e o que a “esquerda-radical” está procurando. “É curioso pensar o que quer essa esquerda radical. Qual é o exemplo que o Ciro Gomes menciona como um exemplo de sucesso: a Argentina. Ai eu pergunto: o que que a Argentina tem de bom para oferecer? É o pior resultado da pandemia na região, é o pior resultado de longe na queda econômica, e caminha a passos largos rumo à Venezuela que o mesmo Ciro Gomes agora dá um jeito de criticar um pouquinho, mas recentemente já disse que a Venezuela tem uma democracia tanto quanto o Brasil e quanto os Estados Unidos“, declarou Constantino, que concluiu criticando comentários de Lula. “Não chegou ao ponto do Lula, que disse que há ‘excesso de democracia’ no país do Maduro, mas elogiou, banalizou e normalizou uma situação que é uma calamidade humanitária por conta do socialismo que eles dois defendem, Lula e Ciro, junto do Foro de São Paulo, cujos partidos são membros”, afirmou.

Confira a íntegra da edição do programa 3 em 1 desta terça-feira, 6: