Constantino: Decisão do G7 sobre afastamento de Mayra Pinheiro é retaliação e abuso de poder

Atividades da comissão realizadas mesmo antes da volta do recesso e pedido de afastamento da médica foram comentadas no programa ‘3 em 1’ desta quinta-feira, 29

  • Por Jovem Pan
  • 29/07/2021 18h01 - Atualizado em 29/07/2021 18h31
Jefferson Rudy/Agência SenadoMayra Pinheiro, conhecida como 'capitã cloroquina', depôs nesta terça-feira na CPI da Covid-19

As audiências da CPI da Covid-19 só devem retornar do período de recesso no Senado na próxima terça-feira, 3, mas as atividades da Comissão e dos assuntos que giram em torno dela já estão em atividade. Uma das decisões tomadas nesta quinta-feira, 29, foi a aprovação do pedido de afastamento de Mayra Pinheiro da Secretaria de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde. A votação do requerimento foi acordada em reunião virtual do G7, grupo majoritário da Comissão, formado por parlamentares independentes e também da oposição. Na avaliação dos membros do colegiado, Mayra Pinheiro pode obstruir as investigações se for mantida no cargo. O comentarista do programa “3 em 1”, da Jovem Pan, Rodrigo Constantino, acredita quem deveria sofrer algum afastamento e ir “de preferência para atrás das grades” são os senadores que decidiram contra a médica cearense.

Ele lembrou que a médica entrou com processo contra membros da CPI após prestar depoimento e não descartou que essa possa ser uma retaliação por parte deles. “Isso é uma retaliação e mais um abuso de poder, inclusive, como já demonstraram várias vezes ali uma postura de cangaço nessa CPI. Quem está obstruindo investigação, volto a dizer, é o próprio gabinete paralelo do Lulismo, que faz de tudo para que a CPI não possa levar adiante investigações envolvendo o Covidão, que são dezenas e dezenas de bilhões de reais que foram parar nas mãos de prefeitos e governadores”, afirmou, voltando a dizer que “ninguém sério leva a sério essa CPI”.

Confira o programa “3 em 1” desta quinta-feira, 29, na íntegra: