Constantino diz que queda do PIB no segundo trimestre é pontual: ‘Brasil está melhor que a média’

Comentarista falou sobre os dados divulgados pelo IBGE sobre o avanço da economia brasileira durante o programa 3 em 1 desta quarta-feira, 1º

  • Por Jovem Pan
  • 01/09/2021 18h06
José Carlos Daves/Futura Press/Estadão Conteúdo - 17/03/2021Segundo dados do IBGE, o PIB brasileiro retraiu 0,1% no segundo trimestre de 2021

Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro retraiu 0,1% no segundo trimestre, na comparação com os três primeiros meses de 2021, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 1º, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado evidencia a perda de fôlego da atividade econômica após alta de 1,2% entre janeiro e março. Em paralelo ao mesmo período de 2020, a economia avançou 12,4%. Em valores correntes, o PIB, que é a soma dos bens e serviços produzidos no Brasil, chegou a R$ 2,1 trilhões. Este é o primeiro resultado negativo na comparação com o trimestre imediatamente anterior após três avanços seguidos e a segunda alta em relação ao mesmo trimestre do ano passado. Com esse desempenho, a economia brasileira cresceu 6,4% no primeiro semestre. O responsável pela secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, minimizou a queda. Segundo o auxiliar do ministro Paulo Guedes, a equipe econômica trabalha para a retomada das atividades com base no investimento privado. “Mais importante que o número, é a qualidade do PIB. O Brasil cansou de voo de galinha. A nossa política econômica tem focado no crescimento econômico de longo prazo”, afirmou.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o comentarista Rodrigo Constantino analisou a queda do PIB, reconhecendo que o valor do segundo trimestre veio abaixo do esperado e ressaltando que, apesar disso, o Brasil está melhor que a média em relação a outros países no intervalo dos últimos quatro trimestres. “O PIB do segundo trimestre veio abaixo do mercado, veio zero praticamente. Mas vamos olhar os últimos quatro trimestres. Tirando a China, que cresceu mais que 9%, nós temos os Estados Unidos com 1,9% e o Brasil com 1,8% e depois quase todo mundo abaixo. Ou seja, de 30 países, o Brasil está em oitavo. É uma coisa pontual e não dá para dizer que foi o lockdown, que tem mais a ver com esse período mais longo e o Brasil está melhor que a média. Inclusive países que fizeram lockdown muito mais severo como a Argentina, não pouparam vidas e destruíram a economia”, disse Constantino, que mencionou a crise hídrica “sem precedentes” e a conjuntura política como fatores que contribuíram para o resultado.

Confira a íntegra do programa desta quarta-feira, 1º: