Constantino: ‘Militância escancarada no STF joga o país no limbo jurídico’

Declaração foi feita pelo comentarista durante sua participação no programa 3 em 1 desta sexta-feira, 2, que debateu o inquérito contra Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 02/07/2021 18h01 - Atualizado em 02/07/2021 18h20
Valter Campanato/Agência BrasilNotícia-crime foi enviada ao STF pelos senadores Randolfe Rodrigues, Fabiano Contarato e Jorge Kajuru

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira, 2, a abertura de inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo crime de prevaricação na compra da vacina Covaxin. A manifestação ocorre horas depois de a ministra Rosa Weber negar o pedido da PGR para que a investigação só fosse instaurada após o término da CPI da Covid-19, que apura as ações e omissões do governo federal no combate à pandemia do novo coronavírus. A notícia-crime foi enviada ao STF pelos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão, Fabiano Contarato (Rede-ES) e Jorge Kajuru (Podemos-GO). Os parlamentares se basearam nas denúncias apresentadas pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e pelo seu irmão, Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta sexta-feira, 2, o comentarista Rodrigo Constantino falou sobre a decisão, relembrando casos envolvendo Alexandre de Moraes e dizendo que o STF gera um “clima de golpismo” no país. “Tivemos o debate sobre o Alexandre de Moraes, o tucano no Supremo, que, provocado pela PGR, tinha que arquivar aquela denúncia que não deu em nada, e no mesmo dia vai lá e abre um inquérito delegando poderes absurdos e inconstitucionais ao próprio Supremo. Nós temos uma militância escancarada hoje em dia no Supremo, que joga o país no limbo do ponto de vista jurídico nessa insegurança toda. Clima de golpismo. É disso que se trata”, afirmou Constantino.

Confira a íntegra da edição do programa 3 em 1 desta sexta-feira, 2: