Constantino sobre morte de Major Olimpio: ‘Que sirva para lembrarmos que o lado humano vem antes do político’

No programa 3 em 1 desta quinta-feira, 18, o comentarista pediu que as pessoas respeitem e ‘segurem por 24 horas o nível de politização’

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2021 18h54
Imagem: Reprodução/Jovem PanRodrigo Constantino afirmou que morte de Major Olimpio simboliza uma 'grande perda'

O senador Major Olimpio (PSL-SP) teve morte cerebral nesta quinta-feira, 18, em decorrência de complicações da Covid-19. O parlamentar foi diagnosticado com o novo coronavírus no início do mês, em 2 de março. Com o rápido avanço da doença, foi internado no Hospital São Camilo, em São Paulo, onde foi intubado por duas vezes e confirmou-se a ausência de todas as funções cerebrais. A informação de sua morte, aos 58 anos, foi divulgada nas redes sociais. “Com muita dor no coração, comunicamos a morte cerebral do grande pai, irmão e amigo, Senador Major Olimpio. Por lei a família terá que aguardar 12 horas para confirmação do óbito e está verificando quais órgãos serão doados. Obrigado por tudo que fez por nós, pelo nosso Brasil”, registrou o texto.

Nesta tarde, a notícia espalhou-se rapidamente pouco antes do início do programa 3 em 1, da Jovem Pan. Ao refletir sobre a morte de Major Olimpio, o comentarista Rodrigo Constantino lamentou sua partida e afirmou que o momento deve ser respeitado, não politizado. “Antes de mais nada, desejo meus sentimentos aos familiares e amigos do senador. É uma notícia horrível. Neste momento, espero que a morte do Major sirva para lembrarmos que o lado humano vem antes do lado político. Ele era uma pessoa com quem eu já concordei muito e, nos últimos tempos, mais discordava do que concordava. No entanto, sempre vi nele a necessidade de defender suas crenças de forma aguerrida – o que nos aproxima, e isso eu respeito em qualquer pessoa. Acima de tudo, não devemos politizar este momento. Vivemos tempos estranhos nos quais tudo é politizado. No final do dia, as pessoas se esquecem de que olham para seres humanos, não inimigos mortais. Morreu um ser humano, um político, um senador. É uma grande perda. Gostaria que as pessoas pudessem segurar por 24 horas o nível de politização”, concluiu.

Confira a íntegra da edição do programa 3 em 1 desta quinta-feira, 18: