Facada ‘beneficiou’ Bolsonaro porque minou jogo pesado contra ele, mas só loucos falam em armação, diz Serrão

Comentaristas do programa 3 em 1, da Jovem Pan, analisaram declaração do presidente sobre politização da facada e acusações de que o atentado teria sido uma armação

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2022 17h59
SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Presidente Jair Bolsonaro Presidente deixou o hospital nesta quarta-feira, 5, depois de ser internado para tratar um quadro de obstrução intestinal

O presidente Jair Bolsonaro falou com a imprensa após receber alta nesta quarta-feira, 5, d0 Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul de São Paulo. O chefe do Executivo estava internado desde a última segunda-feira, 3, com um quadro de obstrução intestinal. Segundo o médico Antônio Luiz Macedo, o quadro ainda é um desdobramento do atentado sofrido por Bolsonaro em 2018, quando o presidente recebeu uma facada durante a campanha eleitoral em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ao ser questionado sobre a veracidade do incidente, Bolsonaro assegurou que a facada foi real e negou que a internação tenha objetivo político. “Querem politizar uma tentativa de homicídio. As imagens mostram a faca entrando e tem um brilho dela quando sai. Falar que isso é uma faca fake? O pessoal tem dúvida, alguns dizem que seria armação da minha parte. A faca entrou e, na hora, alguns falaram que não sangrou, mas uma facada nessa região não sangra porque vai tudo para dentro”, explicou o presidente.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o comentarista Jorge Serrão analisou as acusações de armação envolvendo a facada contra Bolsonaro, dizendo que apenas os loucos acreditam nessa hipótese. Além disso, Serrão afirmou que a facada “beneficiou” Bolsonaro pois minou o jogo pesado de outros candidatos contra o atual mandatário. “Em 2018, Adélio deu a facada famosa em Jair Bolsonaro que os loucos ‘esquerdopatas’ insistem em dizer que foi uma armação. Hoje, até o glorioso Cabo Daciolo disse em entrevista que tudo isso foi uma grande articulação da maçonaria para tentar enganar o povo e armado para beneficiar a eleição de Bolsonaro. Quanta besteira. Um ponto você pode concordar: a facada foi pela culatra, porque ela beneficiou a eleição de Jair Bolsonaro. Ele não participou dos debates e seus adversários ficaram apavorados e com medo de jogar pesado contra ele, principalmente Geraldo Alckmin. Esse recuo beneficiou Jair Bolsonaro eleitoralmente. No mais, a facada só prejudicou Jair Bolsonaro. Ele passou por várias cirurgias e em quase todas teve altíssimo risco de morte. Se for investigado com mais detalhe, vai chegar em quem patrocinou o ‘maluco Adélio'”, afirmou Serrão.

Confira o programa desta quarta-feira, 5: