CEO da Marisa explica táticas para fazer a marca crescer após cinco anos de vendas negativas

Marcelo Pimentel, que assumiu marca em 2017 para aumentar vendas digitais e fazer a Marisa voltar a se conectar com classe C, é o convidado do Conselho de CEO desta terça-feira, 17

  • Por Jovem Pan
  • 17/11/2020 18h48
Marcelo Pimentel foi o convidado do Conselho de CEO desta terça

O entrevistado do programa Conselho de CEO, apresentado pelo jornalista e comentarista de negócios do Jornal da Manhã, Carlos Sambrana, nesta terça-feira, 17, é Marcelo Pimentel, CEO das Lojas Marisa. Aos 46 anos de idade, ele administra a empresa desde o ano de 2017, quando foi chamado para aumentar as vendas digitais e fazer com que a marca voltasse a se conectar com suas clientes da classe C. Formado em negócios internacionais e pós graduado em gestão de negócios, Pimentel assumiu a Marisa em um momento no qual apenas 2% do faturamento dela vinha do comércio eletrônico. Com adição da loja em market places, inserção de outros objetos além de roupas e calçados no acervo do comércio e outras táticas ele revolucionou as vendas na plataforma crescendo esse faturamento online para 16% e ficando acima dos dois dígitos ainda antes da pandemia do novo coronavírus. “O que aconteceu com a Marisa não é fruto de uma reação da pandemia, e sim de todo o planejamento que foi feito a partir de 2017 da transformação digital da empresa”, afirma, lembrando que a marca foi a primeira loja de moda no e-commerce no Brasil e modernizou sua plataforma, adicionando também o modo “clique e retire”, no qual o cliente compra no digital e vai retirar o seu produto diretamente na loja. A transformação digital, que contava também com um novo aplicativo e o design de uma página específica para venda de lingeries, o carro-chefe da loja, causou um crescimento nas vendas por quatro trimestres consecutivos após cinco anos de venda negativa. O ano de 2020 parecia promissor para o “turn around” da marca e a volta aos lucros, mas a partir do dia 17 de março todas as lojas foram fechadas e uma nova articulação precisou ser feita dentro da empresa.

“A pandemia causou um freio nesse processo e como tudo tivemos que nos adaptar muito rápido focando na cliente, nos nossos colaboradores, focando na saúde financeira da organização, focando muito na comunicação digital com essa cliente durante todo esse momento, mas também já ali e março criamos um comitê de retomada que foi muito importante para o momento que a gente está vivendo”, lembrou, garantindo que hoje, com todas as lojas abertas, o ritmo de retomada de vendas corre mais rápido do que o esperado pelas equipes. Hoje, a equipe trabalha com afinco para que o ano de 2021 volte a apresentar crescimento de venda e lucratividade.Marcelo atribui um erro estratégico da Marisa como motivo de distanciamento entre as clientes da classe C, que eram inicialmente o público alvo da marca. No ano de 2017, um estudo sobre o que afastou as clientes da empresa foi feito e uma nova estratégia operacional foi traçada. “A gente percebeu que essa é a mulher da classe C, classe B-, que quer moda, tendência, qualidade, mas a acessibilidade de preço é muito importante para elas. Portanto, nós começamos a investir durante todo o ano de 18 na melhoria de produtos, fizemos um trabalho muito forte também na reorganização das nossas lojas e um investimento pesado em treinamento do atendimento dos nossos colaboradores”, lembrou. Segundo ele, a partir disso, a aceitação do produto vem com mais força e a idade média da cliente também diminuiu.

Promoção da autoestima da mulher

Marcelo Pimentel afirmou que um dos planos para os próximos anos da marca é a instauração de um market place que deve ser lançado no terceiro trimestre de 2021 com uma série de parceiros. Ele afirmou que a marca não vai focar em um contexto “transacional” ofertando produtos “básicos” como equipamentos de higiene da casa, e sim visar para as ambições da empresa. “A nossa missão que é fortalecer a autoestima da mulher brasileira. Apesar [do produto de higiene da casa] de ser uma categoria de autoconsumo feminino a gente não quer trazer para dentro da nossa plataforma, porque a gente tem como missão clara a promoção da autoestima da mulher brasileira. Então, o que vai vir vão ser parceiros que vão complementar tudo aquilo que fortaleça a autoestima da mulher”, afirmou.

O Conselho de CEO de Pimentel para aqueles que gostam do mundo do empreendedorismo foi olhar de forma otimista para o futuro do Brasil. Ele lembrou que apesar da crise imposta pela pandemia, o avanço digital e até mesmo o pagamento dos brasileiros de suas dívidas após a concessão de crédito mostram pontos positivos no país. “A nossa crença é de ter coragem de olhar para o futuro de fazer planos, de acreditar que esse momento vai passar. Obviamente, com muita prudência, com muito cuidado”, lembrou o administrador.

Confira o programa Conselho de CEO desta terça-feira, 17: