Spimpolo bate boca com Vampeta e Bruno Prado ao falar sobre trabalho de Diniz no Santos

O repórter se exaltou com os companheiros de bancada do ‘Esporte em Discussão’ ao afirmar que o treinador tem parcela de culpa na eliminação do Peixe na Libertadores; assista

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2021 14h55 - Atualizado em 27/05/2021 15h58
Montagem sobre fotos/ Reprodução/Jovem Pan/Santos FCMarcio Spimpolo, Vampeta e Bruno Prado discutiram sobre o trabalho de Diniz no Santos

O Santos caiu na fase de grupos da Copa Libertadores da América na noite da última quarta-feira, 26, ao perder para o Barcelona (EQU), em Guayaquil — mesmo se vencesse, o Peixe não avançaria às oitavas de final do torneio. Ao longo do programa do “Esporte em Discussão”, do Grupo Jovem Pan, o repórter Marcio Spimpolo polemizou ao afirmar que o técnico Fernando Diniz, que assumiu o Peixe já na 4ª rodada da competição, tem uma parcela de culpa na eliminação. “O técnico atual do Santos adora uma eliminação. Ele também tem uma parcela de culpa. Quando o cara chega e sai só na foto de campeão, ele não ganha medalha? Não estou falando que ele é o culpado, mas ele tem parcela. Se fosse jogo de título, ele não iria dar volta olímpica e beijar o troféu? Ele tem parcela de culpa, sim. Quantas eliminações ele teve no São Paulo? Eu ouvi aqui que ele tem participação no título do Campeonato Paulista”, disse.

A declaração não foi bem recebida pelos colegas de bancada, entre eles o comentarista Vampeta, que saiu em defesa de Diniz e retrucou o companheiro mais exaltado. “Não. Ele pegou o time já praticamente eliminado. Quem tem mais mérito no título do Palmeiras: Luxemburgo ou Abel Ferreira? É a mesma coisa. Cão que late, não morde. Você nasceu em Perdizes (bairro nobre de São Paulo) e nunca foi numa roça, nunca pisou em um barro. Não sabe de nada!”, disse o pentacampeão do mundo com a seleção brasileira, lembrando que o Santos já estava em situação delicada quando Diniz foi contratado. O Peixe perdeu as duas rodadas iniciais para Barcelona, na Vila Belmiro, e Boca Junior (ARG), em La Bombonera, na cidade de Buenos Aires.

Spimpolo, ainda assim, insistiu que Diniz poderia ter feito mais com a equipe santista, lembrando da boa temporada do Alvinegro praiano sob o comando de Cuca. O repórter, então, bateu boca com o comentarista Bruno Prado, outro defensor do técnico. “E acho que o trabalho do Diniz não vai ser bom, e o Santos vai sofrer. Com o Cuca, o time foi finalista da Libertadores e estava bem. Para defender o Diniz que você ama, você não pode falar que o trabalho do Cuca é ruim. O Diniz é ruim! Nunca ganhou nada na vida. O cara só ganhou no bingo na vida e só largou os times dele na zona de rebaixamento. Você tem que separar a paixão da razão. A família Prado tem a mania de achar que eu tenho ódio das pessoas. Não tenho ódio de ninguém. É uma paixão que eu não consigo entender. Eu não tenho que provar nada para você”, disse o repórter à Bruno Prado.

O jornalista, então, rebateu a declaração do companheiro, pedindo respeito ao treinador. “Chegou na final, mas não ganhou. Você fala qualquer coisa para atacar o Fernando Diniz, que você não gosta. Ele tem apenas três anos na Série A do Brasileiro. Então o cara que não ganhou não merece ser respeitado? Tem que ser esculhambado? O Cuca demorou para ganhar e foi massacrado no Botafogo, no Flamengo. Você tem ódio dele! Você não gosta do cara. Se fosse um cara que você gostasse, você não falaria que ele tem culpa em uma eliminação com participação em três jogos. E é uma raiva que eu não consigo entender. E eu também não tenho nada para provar para você”, retrucou.