Após alerta do TCU, Paulo Guedes promete nova meta fiscal para 2021

Diante da situação de calamidade enfrentada neste ano, a meta foi abandonada

  • Por Jovem Pan
  • 04/12/2020 08h00 - Atualizado em 04/12/2020 09h03
CLÁUDIO MARQUES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO ministro Paulo Guedes afirmou que o governo "terá" uma meta de déficit primário para 2021

O mercado voltou a ter um comportamento muito positivo nesta quinta-feira, 3, com a Bolsa em alta de 0,27%, e o dólar em queda de 1,94%, cotado a R$ 5,14 no comercial. Apesar de o movimento ainda estar muito relacionado à animação externa, especialmente com o noticiário referente às vacinas, a divulgação do Produto Interno Bruno (PIB) também teve alguma influência, apesar da expansão de 7,7% ter ficado abaixo das projeções. A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack ressalta que outros fatores que têm colaborado para o desempenho do mercado local e até para a bem sucedida colocação de títulos que o país fez nesta semana. “A gente tem o setor de consumos que também é amparado pelo auxílio emergencial, a gente teve o dado o PIB confirmando a recuperação no terceiro trimestre. Só que sabemos que fica uma incógnita sobre o ritmo da recuperação para 2021 porque ainda existem muitas incertezas quanto a manutenção, ou não, desse programa.”

O ex-secretário de Política Econômica e professor da FGV, Márcio Holland, também faz uma análise positiva do PIB do terceiro trimestre. Para ele, a preocupação maior fica com a qualidade do crescimento e a qualidade da gestão fiscal a partir de 2021, o que inclui até mesmo a possibilidade de o governo ter de prorrogar, por mais um tempo o auxílio emergencial, dependendo da evolução da pandemia. “Você tem as medidas de redução do distanciamento social, a indústria volta alguma atividade e a economia está ainda sentindo os efeitos do auxílio emergencial, que foi muito bom nessa retomada da economia brasileira. Sem dúvida nenhuma é uma notícia a se comemorar”, afirma. Contrariando declarações anteriores e atendendo recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU), o ministro Paulo Guedes afirmou que o governo terá uma meta de déficit primário para 2021.

*Com informações da jornalista Denise Campos de Toledo