Após definição de Doria como pré-candidato, líderes do PSDB atuam para evitar ‘isolamento’ em 2022

Governador de São Paulo promete dialogar com partidos para formar alianças; pesquisas devem determinar o destino das candidaturas

  • Por Jovem Pan
  • 29/11/2021 06h40 - Atualizado em 29/11/2021 10h20
MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO - 11/08/2021 Governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa O governador de São Paulo, João Doria, é o pré-candidato oficial do PSDB à presidência da República

Após enorme desgaste nas prévias dos PSDB, caberá a João Doria evitar ficar isolado nas eleições presidenciais de 2022. Primeiro, terá de unificar o partido numa disputa em 26 estados e no distrito federal. O prefeito de Santo André, Paulo Serra, aliado do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, dá o tom após a disputa interna. “Escolheram alguém que tinha uma capacidade eleitoral maior de liderar um processo para apresentar para o país uma alternativa. Eu continuo achando que o Eduardo tinha mais condição, mas respeito muito a opinião legitimada, como eu já disse, da maioria dos filiados, dentro das regras estabelecidas. Então, o governador João Doria merece os nossos cumprimentos, o nosso respeito, venceu esta batalha, mas acredito que a principal diferença seja, justamente, a capacidade de agregar, que agora ele vai ter oportunidade de, até, entre aspas, tentar mudar essa imagem. O Eduardo já contava com apoio de outros partidos”, comentou.

Doria promete agora dialogar com partidos e pré-candidatos, Simone Tebet, Luiz Henrique Mandetta, Rodrigo Pacheco, Sergio Moro e até convidar Eduardo Leite, derrotado nas prévias, para coordenação de sua campanha. O gaúcho deve se dedicar a sua reeleição ao governo do Estado. Em relação a Sergio Moro, o Podemos lembra que ele tem dois dígitos percentuais nas pesquisas de intenção de votos e que seria mais fácil Doria servisse o ex-juiz e ex-ministro. Apoiador de João Doria, o prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, acredita no reagrupamento interno tucano após as prévias e fala como o PSDB deve enfrentar a polarização entre Lula e Bolsonaro. “Ele vencerá a medida que souber construir as suas diferenças dentre esses dois candidatos, especialmente apresentar ao Brasil uma solução. Não é possível que as pessoas não se sensibilizem com o caos social que nós estamos enfrentando, o enfraquecimento da nossa economia, com a volta da inflação à mesa dos brasileiros, não é possível que nós não enxerguemos as circustâncias de falta de metas, de um planejamento objetivo para que o Brasil possa superar essa fase de extrema dificuldade, com capacidade de poder fazer as críticas, mas, especialmente, apontar um caminho para o Brasil”, pontua. Doria garante que sua vitória interna no PSDB não será em vão. Embora as eleições ocorram apenas em outubro do ano que vem, as pesquisas vão determinar qual o destino das alianças e candidaturas de 2022.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos