Problemas com entrega de vacina contra Covid-19 devem atrasar imunização no Reino Unido

Havia a expectativa de antecipar a vacinação de quem tem menos de 50 anos de idade em abril

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 18/03/2021 07h53 - Atualizado em 18/03/2021 16h06
ANTONIO MOLINA/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOA UE segue com dificuldades em seu plano de vacinação e quer restringir as exportações de vacinas para fora do bloco

O governo britânico confirmou que seu plano de vacinação também será afetado por atrasos na entrega de doses da vacina da AstraZeneca. O calendário oficial de vacinação continua valendo e a expectativa é de que todos os adultos do país tenham recebido a primeira dose até julho, mas havia a expectativa dos conservadores britânicos de antecipar a vacinação de quem tem menos de 50 anos de idade no mês que vem. Dessa forma, o governo de Londres comprou 10 milhões de doses da AstraZeneca que estão sendo produzidas na Índia.

Apenas cinco milhões chegaram e não há previsão para que a outra metade chegue, levantando alguns debates que interessam para o resto do mundo. Primeiro, o porquê dos britânicos estarem comprando vacina da Índia se o país possui suas próprias fábricas. A planta do instituto indiano Serum está dedicada para o fornecimento interno e também de países em desenvolvimento, como o Brasil. As linhas de produção da AstraZeneca na Inglaterra produzem até dois milhões de doses por semana.

Só por isso o país está tão avançado em seu plano de vacinação: 40% da população local já recebeu a primeira dose. O imunizante da Pfizer também está sendo aplicado — ele é produzido na Bélgica e o fornecimento está regular no momento. Mas isso também pode mudar porque a União Europeia fez, na quarta-feira, 17, uma ameaça explícita de confiscar as exportações para o Reino Unido. O bloco segue com dificuldades em seu plano de vacinação e quer restringir as exportações de vacinas para fora.

O governo de Londres afirma que o atraso da vacina que viria da Índia vai impedir que a população abaixo de 50 anos seja imunizada em abril. O mês será dedicado para aplicar a segunda dose nos grupos prioritários — os britânicos atrasaram esse calendário em uma estratégia que está se mostrando acertada. O plano de relaxar o lockdown gradativamente até junho está mantido. Bares e restaurantes só voltam a abrir para o público no mês que vem, assim como o resto do comércio não essencial.