Bolsonaro diz que pai de Santa Cruz foi executado ‘pela esquerda, e não por militares’; certidão de óbito atesta morte pelo Estado

  • 30/07/2019 06h40 - Atualizado em 30/07/2019 10h01
Reprodução/FacebookMais cedo, Bolsonaro disse que sabia como pai de Felipe morreu durante o período militar

Depois de o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, dizer que entraria com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) revele o paradeiro de seu pai, desaparecido em 1974, durante a ditadura militar, o chefe do executivo tentou, em live em suas redes sociais, amenizar a polêmica.

Durante uma gravação feita enquanto cortava o cabelo, Bolsonaro disse que o presidente da OAB tem todo o direito de criticá-lo,  garantiu que não pretende polemizar nem ferir os sentimentos de ninguém e explicou que a informação que ele tem é que Francisco Santa Cruz fazia parte da AP (Ação Popular de Recife) que, segundo ele, era um dos grupos “mais sanguinários” da esquerda na época.

“Eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz, essa é a informação que eu tive na época sobre esse episódio. Porque, qual a tendência, eles não podiam ser descobertos, existia essa guerra naquele momento. Foi isso que aconteceu, não foram os militares que mataram ele não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo que acontece”, disse o presidente, em vídeo gravado na segunda-feira (29).

“Ninguém duvida, né, todo mundo tem certeza, que havia justiçamentos. Então as pessoas da própria esquerda, quando desconfiavam de alguém, simplesmente executava ali”, continuou. Mais cedo, Bolsonaro havia dito que sabia da história de Oliveira e que a contaria ao atual presidente da OAB “um dia, se ele quiser saber”, mas se antecipou e disse que “ele não vai querer ouvir a verdade”.

Apesar do que contou o presidente durante a live, as investigações da Comissão da Verdade, porém, atestam que Santa Cruz foi morto por agentes da ditadura. Em seu atestado de óbito, que foi incluído no sistema da Comissão de Mortos e Desaparecidos no último dia 24 e será enviado à família de Fernando Santa Cruz, sua morte é atribuída ao Estado.

Em resposta aos comentários, Felipe Santa Cruz, afirmou que o presidente Bolsonaro demonstra crueldade e falta de empatia e debocha do assassinato de um jovem que tinha na época 26 anos.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin