Boris Johnson engrossa coro contra Irã, mas afirma que queda de avião pode não ter sido intencional

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 10/01/2020 10h01
EFEegundo Boris Johnson, o governo britânico teve acesso a uma série de evidências que indicam o lançamento de um foguete iraniano contra o avião

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, engrossou o coro dos líderes ocidentais que acusam o Irã de ter derrubado o Boeing ucraniano. Quatro cidadãos do Reino Unido morreram na tragédia, que no total teve 176 mortos.

Segundo Boris Johnson, o governo britânico teve acesso a uma série de evidências que indicam o lançamento de um foguete iraniano contra o avião. Pode ter sido um ataque intencional, mas também pode ter ocorrido um acidente, segundo o líder conservador.

A teoria revelada a partir dos Estados Unidos apenas algumas horas depois da tragédia está sendo amplamente criticada pelos iranianos.

Nesta sexta-feira (10), pela manhã, o chefe da agência de aviação civil iraniana declarou que os americanos estão realizando uma operação psicológica contra o país. Ali Abedzadeh afirmou que cientificamente é impossível que um míssil tenha atingido o avião ucraniano e que os rumores são ilógicos.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, também se manifestou nesta sexta dizendo que a teoria do míssil não pode ser descartada, mas que ainda não está confirmada. Tudo, evidentemente, vai depender de como as investigações serão conduzidas a partir de agora.

Claro que não ajudou em nada o governo do Irã ter permitido que o local da queda do avião tenha sido revirado por tratores logo após a queda. Essas imagens estão sendo exploradas pelo Reino Unido, já que aquela era uma cena de crime em potencial.

Os investigadores iranianos, contudo, afirmam que podem contar com ajuda internacional trazendo analistas da França, Ucrânia, Canadá e Rússia para o trabalho de apuração.

Somente o processo de extração dos dados de uma das caixas pretas recuperada deve levar cerca de um mês — enquanto a investigação completa pode durar um ano, pelo menos.