Claudio Castro pede a Bolsonaro mudanças em concessão do Santos Dumont

Governador do Rio de Janeiro pediu que os aeroportos mineiros retirados do edital de leilão; Estado vai defender sistema de multi-aeroportos em grupo de trabalhos

  • Por Jovem Pan
  • 13/01/2022 11h43 - Atualizado em 13/01/2022 11h46
Daniel Resende / Enquadrar / Estadão ConteúdoGovernador destaca que investimentos feitos no Santos Dumont podem inviabilizar o Aeroporto Internacional do Galeão

O governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro, se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro e pediu que sejam feitas mudanças em concessão do aeroporto Santos Dumont. O leilão da 7ª rodada de concessões aeroportuárias deve acontecer no primeiro semestre de 2022 e vai inclui o terminal. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informou que 16 aeroportos serão concedidos em três blocos e valor mínimo de outorga somado chega a R$ 906 milhões. Os projetos ainda devem envolver investimentos totais ao redor de R$ 19 bilhões. O bloco que tem o Santos Dumont inclui ainda o terminal de Jacarepaguá, de Montes Claros, Uberlândia e Uberaba. O lance inicial é de R$ 324 milhões, com investimento de R$ 5,8 bilhões.

Claudio Castro, no entanto, pede a retirada de aeroportos mineiros do edital. O governo também destaca que investimentos feitos no Santos Dumont podem inviabilizar o Aeroporto Internacional do Galeão. “O Rio de Janeiro quer que esse sistema multi-aeroportos seja entendido e respeitado. Entendido isso, que a gente tenha que uma concessão não prejudique o outro”, afirmou. O governo do Rio de Janeiro e o Ministério da Infraestrutura criaram um grupo de trabalhos para aprimorar o edital de concessão. O grupo inclui técnicos do ministério e do governo estadual, representantes do consórcio contratado para elaboração dos estudos da rodada, membros do setor produtivo fluminense e autoridades locais.

*Com informações da repórter Katiuscia Sotomayor