Com interesse chinês, Brasil registra alta de 72% na exportação de açúcar em 2020

A Secretaria de Comércio Exterior e a União da Indústria de Cana-de-Açúcar apontam que o setor exportou 30,8 milhões de toneladas no ano passado

  • Por Jovem Pan
  • 22/03/2021 06h59 - Atualizado em 22/03/2021 15h31
Diego Baravelli/Ministério da Infraestrutura Os derivados da cana-de-açúcar ficaram na quarta posição do agronegócio, um crescimento de 61% no mercado externo

A exportação de açúcar brasileiro bate recorde após a retomada das vendas para a China. O gigante asiático eliminou a política que elevou a tarifa de importação em 95%. A Secretaria de Comércio Exterior e a União da Indústria de Cana-de-Açúcar apontam que o setor sucroenergético exportou, em 2020, 30,8 milhões de toneladas de açúcar para o mundo, um crescimento de 72% em relação ao ano anterior. O diretor executivo da Unica, Eduardo Leão de Sousa, explica que a pandemia gerou forte queda no consumo de etanol, mas houve a compensação no mercado de açúcar.

“Havia uma demanda muito forte no mercado internacional por açúcar, havia uma janela de oportunidade porque os países grandes produtores e exportadores, como Índia e Tailândia, tiveram queda de produção”, explicou. A China aparece com 4,6 milhões de toneladas, Argélia, com 2, 4 milhões, e Bangladesh, Índia e Indonésia também lideram. A barreira chinesa chegou a ser alvo de pedido de consulta na Organização Mundial de Comércio. Os derivados da cana-de-açúcar ficaram na quarta posição do agronegócio, um crescimento de 61% no mercado externo sobre 2019, com saldo comercial de 9,6 bilhões de dólares, uma alta de 71%.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos