Eficácia da Coronavac deverá ser comprovada até novembro, revela secretário da saúde de SP

Jean Gorintchteyn reforçou que a normalidade, fora da quarentena, só acontecerá com a vacina

  • Por Jovem Pan
  • 12/09/2020 10h29 - Atualizado em 12/09/2020 10h31
EFE/Andre BorgesEstudos na fase 3 da Coronavac devem ser concluídos no meio de outubro

O secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorintchteyn, em entrevista ao Jornal da Manhã deste sábado (12), comemorou os resultados do Plano São Paulo, que tem todos os municípios na fase amarela, e revelou o andamento da vacina em potencial contra a Covid-19 Coronavac, parceria do Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac. Segundo ele, que lamentou a interrupção dos testes com a vacina da AstraZeneca com Oxford, a Coronavac está com o seu cronograma mantido e, até o momento, se provou segura. “na fase 2 ela se mostrou bastante segura, com efeitos colaterais pequenos, A programação é que tenhamos 9 mil voluntários até 30 de setembro, com segunda dose até 15 de outubro, e até novembro devemos ter resultados de estudo, e vacinas disponíveis a partir de dezembro. Com segurança e eficácia comprovadas.”

Gorintchteyn reforçou que a normalidade, fora da quarentena, só será atingida com uma fórmula distribuída em massa para todo o Brasil. “Para voltar ao normal, precisamos de vacinas, e a população vacinada. Quanto mais brasileiros vacinados, maior a possibilidade de sairmos da quarentena e retomarmos a vida normal. Sempre foi claro, a vacina que trará o escopo de normalidade. (…) No caso da Coronavac teremos resultados em novembro, em dezembro ou janeiro deveremos fazer a vacinação. São duas doses, precisamos do maior número possível, temos capacidade de 65 milhões, para 35 milhões de pessoas, precisamos de mais e queremos o apoio do Ministério da Saúde em adquirir essas vacinas para que possamos instituí-las e distribuí-las para todos os brasileiros de forma gratuita.”

A discussão, até o momento, é para definir os critérios de imunização. O secretário explicou que “muito possivelmente serão os mesmos grupos prioritários da gripe, idosos, gestantes, profissionais da saúde, educação, portadores de doenças crônicas, institutos prisionais.”

Embora tenha comemorado o avanço à fase amarela do Plano SP, Dr. Jean fez uma ressalva: “É grande vitória que passamos a ter, devemos a própria população, que colaborou para hoje termos 100% dos municípios no amarelo, ainda é sinal de atenção, estamos no meio do caminho e temos muito pela frente. Temos que continuar mantendo regras sanitárias, de distanciamento, fazer uso de máscaras e evitar aglomeração.”