Eleições 2020: TSE registra 264 crimes contra candidatos desde janeiro

Neste ano, 100 casos de homicídios foram tentados ou consumados contra postulantes ao pleito municipal

  • Por Jovem Pan
  • 25/11/2020 07h23 - Atualizado em 25/11/2020 09h43
José Cruz/Agência BrasilO crime de ameaça foi mais apontado pelo TSE no período eleitoral de 2020, com 146 casos

De janeiro a novembro deste ano, Brasil registrou 264 crimes contra candidatos e pré-candidatos das eleições 2020. O número é cinco vezes maior do que em 2016, quando foram apontados 46 crimes nas eleições municipais. Os dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que a violência contra os candidatos neste ano incluiu: tentativas de homicídio, ameaça e lesão corporal, além de assassinatos. Em pronunciamento, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, ressaltou que a violência de gênero foi uma das altas em 2020. “Esse tipo de agressão às mulheres, física ou moral, é pior do que o machismo, é covardia. Nós precisamos de mais mulheres na política e enfrentar essa cultura do atraso, da discriminação, do preconceito, da desqualificação.”

Neste ano, 100 casos de homicídios foram tentados ou consumados contra candidatos ou pré-candidatos. Apenas entre outubro e novembro, depois da confirmação das candidaturas, 12 postulantes foram mortos. O crime de ameaça foi mais apontado pelo TSE no período eleitoral de 2020, com 146 casos. Para Luís Roberto Barroso, as forças de segurança desempenham papel determinante para coibir os atentados. “A violência é incompatível com a democracia. É preciso jogar limpo e civilizadamente. E os órgãos de segurança pública estão vigilantes em relação à atuação do crime organizado”, afirma. O presidente do Tribunal reforçou ainda que os crimes eleitorais, como boca de urna, compra de voto e transporte ilegal de eleitores caíram na votação deste ano.

*Com informações do repórter Vinicius Nunes