Em Cúpula do Clima, Bolsonaro deve reforçar apelo por ajuda internacional para conter desmatamento

Presidente participa do evento comandado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nesta quinta-feira; ao todo, 40 lideranças confirmaram presença

  • Por Jovem Pan
  • 22/04/2021 06h19 - Atualizado em 22/04/2021 08h34
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOO presidente deve anunciar o aumento de recursos para a fiscalização ambiental e lembrar que para isso, no entanto, o país precisa de ajuda internacional

O presidente Jair Bolsonaro participa nesta quinta-feira, 22, da Cúpula do Clima, primeiro grande evento comandado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Cerca de 40 países confirmaram presença que, pela pandemia de Covid-19, vai acontecer por videoconferência e o mandatário brasileiro será a sétima autoridade a falar. A expectativa é de um pronunciamento mais moderado de Bolsonaro, que deverá sinalizar o empenho do Brasil para conter o desmatamento. O presidente deve anunciar o aumento de recursos para a fiscalização ambiental e lembrar que para isso, no entanto, o país precisa de ajuda internacional. Por outro lado, o governo norte-americano já anunciou que futuros repasses estão sujeitos ao cumprimento de metas.

Na carta encaminhada a Joe Biden, o presidente brasileiro adotou um tom mais moderado. O coordenador do Observatório do Clima, Cláudio Angelo, ressalta, no entanto, que apenas o discurso não vai mudar a situação do Brasil. “Parece que o que vai acontecer é que o Brasil vai ficar olhando de fora os países grandes se engajarem de verdade nessa nova economia, na recuperação verdade, nesses novos negócios, enquanto a gente tenta fazer força para não retroceder em coisas que considerávamos quase superadas”, disse.  Ele aponta também como um avanço o fato dos Estados Unidos retomarem a discussão do problema. “A cúpula marca uma espécie de realinhamento global, vai ser a reestreia dos EUA nessa agenda climática. Passaram quatro anos afastando e sendo o maior emissor histórico do mundo, nada pode acontecer sem a participação americana.” Cláudio Angelo lembra que existe uma preocupação grande dos demais países para fazer com que o Brasil se engaje nessa questão do desmatamento, uma vez que mexer em floresta seria o jeito mais fácil e mais barato de reduzir as emissões no mundo. Ele ressalta no entanto, que não há qualquer sinalização do governo de mudanças práticas na condução da política ambiental.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin