Fim do recesso parlamentar marca a volta da CPI da Covid-19

Na terça, o reverendo Amilton Gomes de Paula deve ser ouvido pelos parlamentares; foco agora será na negociação de vacinas

  • Por Jovem Pan
  • 02/08/2021 07h17 - Atualizado em 02/08/2021 10h04
EBCPodem ser chamados a depor o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e o número 2 do Ministério da Saúde Élcio Franco

A volta dos parlamentares ao trabalho marca também o retorno das atividades da CPI da Covid-19 no Senado Federal. Após dedicarem as últimas duas semanas a examinar documentos e traças estratégias para os próximos meses, os senadores vão retomar os depoimentos. O primeiro deles está marcado para amanha com o reverendo Amilton Gomes de Paula, apontando por representantes da Davati Medical Supply como uma espécie de intermediador com aval do governo federal para negociar vacinas com empresas. Ainda nesta terça-feira, 3, o colegiado deve votar novas convocações, pedidos de informação e quebras de sigilo.

Podem ser chamados a depor o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e o número 2 do Ministério da Saúde Élcio Franco, que atuou na gestão de Eduardo Pazuello. Também está na pauta um pedido judicial de afastamento da secretaria Mayra Pinheiro, do Ministério da Saúde. Já para quarta-feira, 4, estava marcado o depoimento do empresário Francisco Maximiliano, sócio da Precisa Medicamentos, mas a oitiva foi remarcada para o dia 11 porque ele viajou à Índia no dia 24 de julho logo depois do laboratório Bharat Biotech reincidir o contato com a empresa. Para as próximas semanas, os senadores de oposição e os independentes querem focar nas suspeitas envolvendo negociações de vacinas.

*Com informações do repórter Levy Guimarães