Fux promete celeridade em júri de acusados pela morte de Marielle e Anderson

O atentado contra a vereadora completou três anos no último dia 14; ainda não há data para o caso ser analisado

  • Por Jovem Pan
  • 24/03/2021 07h34 - Atualizado em 24/03/2021 10h24
Reprodução/Instagram: @marielle_francoFux classificou a execução de Marielle como um "flagelo que ocorreu na política brasileira"

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, prometeu cobrar celeridade no julgamento pelo Tribunal do Júri dos acusados de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em 2018, no Rio de Janeiro. O PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas. Ainda não há data para o caso ser analisado.

Em reunião do Observatório dos Direitos Humanos do Poder Judiciário, vinculado ao Conselho Nacional de Justiça, presidido por Fux, a viúva de Marielle e vereadora do Rio, Monica Benício, fez um apelo por justiça. “É fundamental que a gente siga cobrando que eles sejam levados ao Tribunal do Júri. Eles recorrem e pediram para que não fossem levados, mas o juiz do Rio de Janeiro decidiu que ambos serão levado ao Tribunal do Júri. É preciso que a gente cobre que esse julgamento ocorra da forma mais célere possível”, disse.

Após ouvir a manifestação de Monica, Fux classificou a execução de Marielle como um “flagelo que ocorreu na política brasileira”. “Um observatório dessa envergadura não pode ficar isento ao problema relativo à morte de Marielle Franco, que era uma política que despontava no universo feminino pelas suas ideias juntas, pelo seu posicionamento corajoso. Posso deixar aqui, agora, um agradecimento da sua presença como manifestação da nossa sensibilidade ao problema relativo à morte de Marielle Franco”, afirmou. O atentado contra a vereadora Marielle Franco completou três anos no último dia 14.

*Com informações da repórter Letícia Santini