Kassab diz que candidatura de Rodrigo Pacheco pelo PSD é chance de unificar o Brasil

Líder nacional da sigla afirmou que convite foi feito ao presidente do Senado Federal e que não trabalha com plano B

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2021 08h42 - Atualizado em 20/07/2021 10h41
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOKassab afirmou que o PSD tem plenas condições de abrigar Pacheco e sua possível candidatura

O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, aposta na candidatura do presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, para a pacificação do país. De acordo com ele, a legenda pretende ter candidato próprio e não trabalha com uma alternativa ao nome do parlamentar. “Estamos em um regime em que dois dos pré-candidatos tem uma rejeição muito alta. Isso mostra que há espaço para o surgimento [de alternativa]. O PSD vai ter candidato próprio. O melhor perfil para que se apresente é o de Rodrigo Pacheco pelo o que ele apresenta de renovação e a seriedade que conduz a sua gestão”, afirmou o ex-ministro. “Não temos plano B. O convite foi feito. Rodrigo Pacheco é uma pessoa muito séria, ponderada e, no momento certo, vai analisar o convite. Tenho plena convicção de que ele, entendendo as circunstâncias, vendo a importância da contribuição do seu gesto para fortalecer o processo eleitoral, vai disponibilizar seu nome.”

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Kassab afirmou que o PSD tem plenas condições de abrigar Pacheco e sua possível candidatura. “Ele tem uma formação moral e profissional muito positiva. Para quem não o conhece, ele é um advogado muito bem sucedida e que, muito jovem, encerrou sua carreira, ou suspendeu temporariamente, para ingressar na vida pública. Se elegeu deputado federal por Minas Gerais, foi eleito presidente da Comissão de Constituição e Justiça, fez um bom trabalho na Câmara — o que o credenciou a se apresentar como candidato ao Senado. Foi eleito senador e, ao chegar no Senado, se elegeu presidente do Congresso.” Para Gilberto Kassab, Pacheco, se eleito, pode unificar o país. “Chega de candidato ganhar eleição e, no dia seguinte, combater adversários como se fossem inimigos. A candidatura de Rodrigo Pacheco é de uma pessoa bem informada, íntegra e que pode representar essa pacificação, essa renovação no comando do país.”

Em relação ao debate sobre o voto impresso, Kassab acredita que, se instaurado, pode gerar um clima muito ruim de questionamento das eleições. Para ele, a matéria é ideal para quem quer tumultuar o pleito. “Nosso sistema é blindado, é auditável. A verificação é realizada pela Justiça Eleitoral com acompanhamento de todos os partidos. Em nenhum momento foi identificado qualquer chance de fraude. Muito diferente do que momento antes, quando a apuração era com células de papel. O sistema brasileiro é admirado no mundo todo por técnicos, cientistas. É um investimento grande, que vários governos fizeram ao longo dos anos, para fortalecer a nossa democracia com a consolidação de uma votação que é rápida, eficiente, segura e, a cada ano, se aperfeiçoa.” Sobre uma possível desistência do presidente Jair Bolsonaro de concorrer à reeleição, Kassab não acredita. “A gente não pode falar por outra pessoa. Mas eu imagino que, se ontem era essa convicção, vai mudar. Não acredito que ele não vai disputar as eleições.” Já sobre a possibilidade de um impeachment, o ex-ministro acha que, caso tenha motivos concretos, é inevitável. “Até agora não há nada que justifique a abertura de um processo.”